terça-feira, novembro 14, 2006

Neste muro branco





Neste muro branco
segredam-se histórias caladas na cal.
Recordam-se breves fragmentos
de um dia singular,
onde papoilas dançam ao vento
e uma criança tropeça no teu olhar.

Neste branco muro
vivem-se histórias pintadas na pedra.
Anseiam-se beijos quentes
que tardam em principiar,
onde as mãos se procuram lentas
na nudez inquieta do teu respirar.

E é neste muro de cal branca,
que se revivem histórias de cada luar,
são histórias minhas e tuas,
memórias de todos os que souberam amar.


(Poema e imagem de Jose Fontinha in aZArt)

19 comentários:

as velas ardem ate ao fim disse...

Não devemos viver de memórias mas aqueles que como nós as temos, estamos em vantagem em relação aos outros, porque se nos arrependermos que seja do que j+a vivemos.

lindo o teu post.bjinhos

Anónimo disse...

Gosto muito da poesia do José Fontiha. Tem um blog muito interessante
Beijinhos
A.

© Piedade Araújo Sol disse...

Mais uma bela escolha...

Passeando no Parque disse...

Estamos todos concordando; uma bela escolha...
Beijão pra vc :-)))

Anónimo disse...

eu não tou ouvindo a musika. alguém a ouve?
jinhosss da Evinha

maresia_mar disse...

Olá
ei já disse e volto a repetir, só uma pessoa com muito bom gosto, consegue pôr posts assim. Bjhs e bom resto de semana

pintoribeiro disse...

Lindíssimo. Boa noite, abraço,

Anónimo disse...

Neste muro branco pude perceber matizes coloridas nas palavras que escrevestes.

Beijos de chuva.

asminhasbijuterias disse...

tanto o poema como a imagem estão excelentes, bjs

☆Fanny☆ disse...

Gosto desta tua ideia de divulgar os nossos poetas. É uma forma de entrarmos no seu mundo de palavras e descobrirmos tanta beleza de alma.

Obrigada por me escolheres também para fazer parte deste teu POESIA PORTUGUESA, sinceramente fico muito honrada com o teu convite. Fico a aguardar curiosa com a selecção que fizeste...rsrsrsr...

Um abraço de estrelinhas*

Fanny

Ana Sobral disse...

mais uma excelente escolha como alguém atras referiu.parabens.
Bjssss da Aninhas :))))

Juda disse...

Olá... cal branca, fez parte da minha vida durante algum tempo... um abraço...

Vera Cymbron disse...

Comento neste post o anterior...
O beijo está fabuloso. Acho desta é de vez...voltei.
Beijinhos.

Maria disse...

Passagem acidental... fiquei para ler.
E reler
E espiolhar o blog
Só tenho que tirar o som da música para poder "sentir" a poesia...
é claro que volto
Abraço

Anónimo disse...

simplesmente genial, sentido, um branco puro... como as flores da imagem!
Parabéns!
Bjs a quem de facto valoriza a POESIA PORTUGUESA!
E fico sinceramente comovido e grato palo vosso/teu trabalho!
Bem hajam!

Paula Raposo disse...

As palavras no branco da cal!! Lindíssimo poema! Beijos.

mares-e-maresias disse...

E nos muros de cal branca
há sonho, há fantasia
há amor, há alegria

Beijos

Anónimo disse...

- memórias de todos os que souberam amar. -

comovi-me. como há muito não me comovia. sou um velho que amou. muito. e amo cada poema que leio aqui trazido por ti. amo-te poesia.
PL

Anónimo disse...

Voltei para ver esta foto, esta linda, e nao me tinha esquecido dela.
Beijinho*