terça-feira, novembro 14, 2006

Neste muro branco





Neste muro branco
segredam-se histórias caladas na cal.
Recordam-se breves fragmentos
de um dia singular,
onde papoilas dançam ao vento
e uma criança tropeça no teu olhar.

Neste branco muro
vivem-se histórias pintadas na pedra.
Anseiam-se beijos quentes
que tardam em principiar,
onde as mãos se procuram lentas
na nudez inquieta do teu respirar.

E é neste muro de cal branca,
que se revivem histórias de cada luar,
são histórias minhas e tuas,
memórias de todos os que souberam amar.


(Poema e imagem de Jose Fontinha in aZArt)

19 comentários:

  1. Não devemos viver de memórias mas aqueles que como nós as temos, estamos em vantagem em relação aos outros, porque se nos arrependermos que seja do que j+a vivemos.

    lindo o teu post.bjinhos

    ResponderEliminar
  2. Gosto muito da poesia do José Fontiha. Tem um blog muito interessante
    Beijinhos
    A.

    ResponderEliminar
  3. Estamos todos concordando; uma bela escolha...
    Beijão pra vc :-)))

    ResponderEliminar
  4. eu não tou ouvindo a musika. alguém a ouve?
    jinhosss da Evinha

    ResponderEliminar
  5. Olá
    ei já disse e volto a repetir, só uma pessoa com muito bom gosto, consegue pôr posts assim. Bjhs e bom resto de semana

    ResponderEliminar
  6. Neste muro branco pude perceber matizes coloridas nas palavras que escrevestes.

    Beijos de chuva.

    ResponderEliminar
  7. tanto o poema como a imagem estão excelentes, bjs

    ResponderEliminar
  8. Gosto desta tua ideia de divulgar os nossos poetas. É uma forma de entrarmos no seu mundo de palavras e descobrirmos tanta beleza de alma.

    Obrigada por me escolheres também para fazer parte deste teu POESIA PORTUGUESA, sinceramente fico muito honrada com o teu convite. Fico a aguardar curiosa com a selecção que fizeste...rsrsrsr...

    Um abraço de estrelinhas*

    Fanny

    ResponderEliminar
  9. mais uma excelente escolha como alguém atras referiu.parabens.
    Bjssss da Aninhas :))))

    ResponderEliminar
  10. Olá... cal branca, fez parte da minha vida durante algum tempo... um abraço...

    ResponderEliminar
  11. Comento neste post o anterior...
    O beijo está fabuloso. Acho desta é de vez...voltei.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  12. Passagem acidental... fiquei para ler.
    E reler
    E espiolhar o blog
    Só tenho que tirar o som da música para poder "sentir" a poesia...
    é claro que volto
    Abraço

    ResponderEliminar
  13. simplesmente genial, sentido, um branco puro... como as flores da imagem!
    Parabéns!
    Bjs a quem de facto valoriza a POESIA PORTUGUESA!
    E fico sinceramente comovido e grato palo vosso/teu trabalho!
    Bem hajam!

    ResponderEliminar
  14. As palavras no branco da cal!! Lindíssimo poema! Beijos.

    ResponderEliminar
  15. E nos muros de cal branca
    há sonho, há fantasia
    há amor, há alegria

    Beijos

    ResponderEliminar
  16. - memórias de todos os que souberam amar. -

    comovi-me. como há muito não me comovia. sou um velho que amou. muito. e amo cada poema que leio aqui trazido por ti. amo-te poesia.
    PL

    ResponderEliminar
  17. Voltei para ver esta foto, esta linda, e nao me tinha esquecido dela.
    Beijinho*

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,