sexta-feira, janeiro 26, 2007

Dois sonetos...


Imagem de Delasnieve Daspet



I
De repente solta a língua
A frase breve, o lampejo
No instante do desejo
Mão vazia, alma à mingua

Ter mais do quê
Se nada tenho
De onde venho
Já ninguém vê

Rezo já não a Deus mas a mim
O milagre pertinaz, um brilho novo
Tirar do peito leão, ser sim

Encolho os ombros, gesto coevo
Marca d’água da terra donde vim
E sei que não sou mais que ovo

II

A distante hora que vi luz
Marcou-me a retina verde
Tenho olhos de quem perde
De mim sempre para nós

Mais era o meu mote
Mais de tudo, mais de nada
Havia razões de muda
Mas meu navio era bote

Plantado numa beira-mar escassa
Sou duna mar e céu e este é cinza
A vontade de ir morreu

Erguido ao vento gélido sou eu
O fruto destas raízes é meu
Monumento singular à tristeza

(Poema do Paulo in Mais tempo)



Recebido num comentário o seguinte Convite:
"Convidamos todos os visitantes deste blog a participarem neste Concurso de Poemas de Amor".
Todos os interessados, deverão aceder a esta
Página


Igualmente se dá conhecimento do Prémio de Poesia Nuno Júdice.
Os trabalhos deverão ser entregues até 16 de Fevereiro, de acordo com o regulamento constante no site da Câmara Municipal de Aveiro ( http://www2.cm-aveiro.pt/www/).

Divulguem pelos vossos amigos poetas!

10 comentários:

Jofre Alves disse...

Passei para ver os amigos, apreciar o blogue, sempre com bom-gosto e qualidade, factor que me leva a visitá-lo para deixar o desejo dum óptimo fim-de-semana, apesar deste frio que enregela, mas como diz o povo «mãos frias, coração quente».

paulo disse...

Cite como quiser, quando quiser e onde quiser. E obrigado. Não lia estes dois há já um tempo, e gostei. É engraçado ver as nossas "pinturas" numa moldura alheia, a poesia "nossa" solta pelas redes.

Anónimo disse...

Mais uma bela escolha
Abraço
C.

Passeando no Parque disse...

Depois de uma ausência que espero ninguém tenha notado, voltei nos meus passeios, observando, gostando, amando,,, este Requiem de Mozart ! Soberbo! Divino!!

Beijão pra vc de saudade

Delfim Peixoto disse...

Como seempre, poesia da melhor! Quanto ao Requiem, que já toquei ñ vezes, com dois coros, é das obras -prima que mais "gozo" dá, pelo menos na parte dos violncelos ...
Parabéns pelasescolhas
jnhs

Sulista disse...

Amiga de blogs maravilhosos, cheios de Arte,
vai lá ao bloguito qd der, dar a tua opinião sobre o meu ultimo post ;-)

beijinho Grande *********

Anónimo disse...

... Que luz te ilumina para tão graciosa escolha, não só pelo texto, como por este clássico musical que (até...) nos solta a epiderme!!!

Continua minha querida... com essa força demolidora.

Voltarei... enquanto nos ofereceres estas maravilhas.

Os meus parabéns a ambos.

do Amigo "Montanheiro"

Anónimo disse...

Esqueci-me de referir a belissima escolha da imagem... com muita sensualidade.

Um resto de tarde feliz para ti...

Um beijo do "Montanheiro"

Joe Nunes disse...

Um mimo! É o que me ocorre dizer ao entrar aqui! A musica, o poema, a imagem! BELO!
Cpmtos do J.N

António Melenas disse...

São dois poemas bonitos. Mas sonetos não são. O soneto obedece a regras que estes poemas não cumprem. Helas!
Mais uma vez bem hajas pelo teu carinho na divulgação da poesia portuguesa
Beijo