segunda-feira, fevereiro 19, 2007

Escrita


Pintura de Susan Rios



Na folha lisa e escorreita,
O lápis afiado e porfiador
Elabora percursos mansos
Em sinuosas ruas que se espraiam.

Escrever é desagrilhoar
O pó da memória em vão acumulado
E gritar,
E dizer alto,
Que revolta nos acomoda o peito,
Que afago nos acaricia a alma.

Escrever é arrojar o Futuro.
Ao alcance de um artigo,
De um pronome,
De um verbo.
Verbo é “criar”,
O início de tudo,
A sedição,
A ociosidade das palavras.

Tresfolgo a escrita
De um trago.
Acre, por vezes,
Libertador, sempre.

O ar está abarrotado de palavras.
As mais infalíveis estão, contudo,
Em bolsos de pequenas crianças,
De mãos rosadas e roliças,
Que as retiram em movimentos loquazes
E as levam à boca como rebuçados
Inspiradores da candura da infância.

Tu, Criança,
És quem melhor descreve o mundo,
Porque és a vagem verde viçosa
De uma aurora que não distingue nuvens.

(Poema de Filipe Lamas in Tretas & Letras)

13 comentários:

Isabel-F. disse...

Gostei.

Bj

PoesiaMGD disse...

Bonito, muito bonito! E a conjugação de poema e imagem está colossal!

Thor Croix disse...

Não sei o que mais admiro em seu blog, as poesias ou as pinturas... Tudo muito perfeito.

Parabéns

© Piedade Araújo Sol disse...

Um bom trabalho!

Mas acho que tambem pode ser lido de baixo para cima.

Eu li das duas maneiras e gostei.

Parabens ao autor.

Obrigada à PP pelas boas escolhas que aqui faz.

alice disse...

(eu gostava muito de lhe dar um beijinho agora. porque é muito especial. não sei como agradecer. fico muito feliz. assim que a vir, dou-lhe um abraço. do coração.)

Paulo Malekith Rema disse...

GOSTEI BASTANTE DESTE POEMA E APROVEITO PARA DEIXAR O MEU BLOG!!

paulomalekithrema@blogspot.com

filipelamas disse...

Muito obrigado pela honra que me concede ao colocar neste blog que muito admiro um dos meus poemas!

Paula e Rui Lima disse...

Olá!

Se gostas de cinema vem visitar-nos em

www.paixoesedesejos.blogspot.com

todos os dias falamos de um filme diferente

Paula e Rui Lima

O Micróbio II disse...

Ingenuamente (no bom sentido) perfeito!

MARIA VALADAS disse...

Outra boa escolha...

A sensibilidade evapora pela tua pele...

Parabens ao poeta...e á Poesia Portuguesa..por nos transformar...momentos de grande encanto!

Beijos da
Maria

Anónimo disse...

Escrever é arrojar o Futuro.
Ao alcance de um artigo,
De um pronome,
De um verbo.
Verbo é “criar”,
O início de tudo,
A sedição,
A ociosidade das palavras.

Tresfolgo a escrita
De um trago.
Acre, por vezes,
Libertador, sempre.


Muito bonito parabelizo o autor e kem publica
Vanessa

Joaquim Sobral Gil disse...

Escrever,
a procura da palavra,
o começo do sonho,
da ponta dos dedos
estalam aromas
que se pespegam
no claro luar.
Há sorrisos,
há choros,
mas,
é verdade,
que nos bolsos das crianças,
estão as palavras,
que ainda ficam por dizer.

Um beijo

Anónimo disse...

muito bom...
preciso de uma cópia deste com urgÊncia...vou utilizar amanha À tarde..

desde já espero..
agradeço a compreensão