segunda-feira, fevereiro 19, 2007

Escrita


Pintura de Susan Rios



Na folha lisa e escorreita,
O lápis afiado e porfiador
Elabora percursos mansos
Em sinuosas ruas que se espraiam.

Escrever é desagrilhoar
O pó da memória em vão acumulado
E gritar,
E dizer alto,
Que revolta nos acomoda o peito,
Que afago nos acaricia a alma.

Escrever é arrojar o Futuro.
Ao alcance de um artigo,
De um pronome,
De um verbo.
Verbo é “criar”,
O início de tudo,
A sedição,
A ociosidade das palavras.

Tresfolgo a escrita
De um trago.
Acre, por vezes,
Libertador, sempre.

O ar está abarrotado de palavras.
As mais infalíveis estão, contudo,
Em bolsos de pequenas crianças,
De mãos rosadas e roliças,
Que as retiram em movimentos loquazes
E as levam à boca como rebuçados
Inspiradores da candura da infância.

Tu, Criança,
És quem melhor descreve o mundo,
Porque és a vagem verde viçosa
De uma aurora que não distingue nuvens.

(Poema de Filipe Lamas in Tretas & Letras)

13 comentários:

  1. Bonito, muito bonito! E a conjugação de poema e imagem está colossal!

    ResponderEliminar
  2. Não sei o que mais admiro em seu blog, as poesias ou as pinturas... Tudo muito perfeito.

    Parabéns

    ResponderEliminar
  3. Um bom trabalho!

    Mas acho que tambem pode ser lido de baixo para cima.

    Eu li das duas maneiras e gostei.

    Parabens ao autor.

    Obrigada à PP pelas boas escolhas que aqui faz.

    ResponderEliminar
  4. (eu gostava muito de lhe dar um beijinho agora. porque é muito especial. não sei como agradecer. fico muito feliz. assim que a vir, dou-lhe um abraço. do coração.)

    ResponderEliminar
  5. GOSTEI BASTANTE DESTE POEMA E APROVEITO PARA DEIXAR O MEU BLOG!!

    paulomalekithrema@blogspot.com

    ResponderEliminar
  6. Muito obrigado pela honra que me concede ao colocar neste blog que muito admiro um dos meus poemas!

    ResponderEliminar
  7. Paula e Rui Lima21 fevereiro, 2007 09:55

    Olá!

    Se gostas de cinema vem visitar-nos em

    www.paixoesedesejos.blogspot.com

    todos os dias falamos de um filme diferente

    Paula e Rui Lima

    ResponderEliminar
  8. Ingenuamente (no bom sentido) perfeito!

    ResponderEliminar
  9. Outra boa escolha...

    A sensibilidade evapora pela tua pele...

    Parabens ao poeta...e á Poesia Portuguesa..por nos transformar...momentos de grande encanto!

    Beijos da
    Maria

    ResponderEliminar
  10. Escrever é arrojar o Futuro.
    Ao alcance de um artigo,
    De um pronome,
    De um verbo.
    Verbo é “criar”,
    O início de tudo,
    A sedição,
    A ociosidade das palavras.

    Tresfolgo a escrita
    De um trago.
    Acre, por vezes,
    Libertador, sempre.


    Muito bonito parabelizo o autor e kem publica
    Vanessa

    ResponderEliminar
  11. Escrever,
    a procura da palavra,
    o começo do sonho,
    da ponta dos dedos
    estalam aromas
    que se pespegam
    no claro luar.
    Há sorrisos,
    há choros,
    mas,
    é verdade,
    que nos bolsos das crianças,
    estão as palavras,
    que ainda ficam por dizer.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  12. muito bom...
    preciso de uma cópia deste com urgÊncia...vou utilizar amanha À tarde..

    desde já espero..
    agradeço a compreensão

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,