quinta-feira, março 15, 2007

Não te amo


Pintura de Louis Icart


Não te amo, quero-te: o amar vem d'alma.
E eu n'alma --- tenho a calma,
A calma --- do jazigo.
Ai! não te amo, não.

Não te amo, quero-te: o amor é vida.
E a vida --- nem sentida
A trago eu já comigo.
Ai, não te amo, não!

Ai! não te amo, não; e só te quero
De um querer bruto e fero
Que o sangue me devora,
Não chega ao coração.

Não te amo. És bela; e eu não te amo, ó bela.
Quem ama a aziaga estrela
Que lhe luz na má hora
Da sua perdição?

E quero-te, e não te amo, que é forçado,
De mau feitiço azado
Este indigno furor.
Mas oh! não te amo, não.

E infame sou, porque te quero; e tanto
Que de mim tenho espanto,
De ti medo e terror...
Mas amar!... não te amo, não.


Almeida Garrett in Folhas Caídas(1853)

24 comentários:

  1. Lindo Menina marota! Muito boa escolha a tua, como sempre!
    Um beijo,
    Ema

    ResponderEliminar
  2. Ola Boa Noite!!!
    tudo bem com vc?
    Achei seu blog em pesquisa,e fiquei encantada com as imagens e texto em especial este.." Não te amo"....Você pode mandar uma copia para mim?
    posso coloca-lo em meu blog?
    È muito lindo,aguardo resposta,beijos e fica com DEUS.
    silvasueli@sercomtel.com.br

    ResponderEliminar
  3. É raro vir aqui e não encontrar coisas, Poesia e Prosa que já tinha quase esquecido. Reler isto é bom, muito bom mesmo... é renascer, avivar novamente memórias boas! mais uma boa escolha Poesia Portuguesa... fica bem!

    ResponderEliminar
  4. António Augusto R.O e Nóbrega16 março, 2007 10:22

    Ah... os clássicos...como gostei de encontrar aqui Garrett; uma boa escolha sim senhora!!!
    Bj.te
    aaron

    ResponderEliminar
  5. querida poesia. folgo em ler tão belos versos como aperitivo a boas leituras durante o fim de semana. um grande beijinho, minha amiga *

    ResponderEliminar
  6. Adoro Almeida Garrett! Adorei reler. Beijos e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  7. Já conhecia este poema e sempre mexeu comigo de uma forma que nem sei explicar. Há muito que não o lia. Gostei de reler.
    Amei a música que por aqui se sente.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Sempre o amor o eixo que faz girar o coração...
    Belissimo o poema de Garrett, obrigado pela partilha.
    Abraço daqui junto ao mar hoje azul.

    ResponderEliminar
  9. As sempres belas palavras
    Ditas da forma como se sabe dizer
    Es tudo, não, és algo a mais...

    ResponderEliminar
  10. Uma bela escolha! Há muito k não lia Almeida Garrett. Este poema é belíssimo!!
    Beijão do AC

    ResponderEliminar
  11. Um optimo exemplar deste magnifico poeta...
    Bjinhos!!

    ResponderEliminar
  12. Garrett, Folhas Caídas e... o Amor!
    "...não te amo, ó bela." - o espanto, o medo e o terror...

    ResponderEliminar
  13. descobri agora que quero e não amo.


    beijos

    della

    ResponderEliminar
  14. 'Não te amo não'
    :::::::::::::
    Certamente o poeta amava. Mas o amor sempre foi ponto de discórdia perante o pré-estabelecido. Tentava se juntar fortunas, e ninguém podia seguir os seus impulsos amorosos. Os que o fizessem, eram os rebeldes.
    Fica bem.
    Um beijinho para ti.
    Manuel

    ResponderEliminar
  15. A recusa do amor é apenas uma forma mais sublime de o dizer.

    ResponderEliminar
  16. desejo e amor! por vezes dissonantes, mas sempre presentes...

    ResponderEliminar
  17. II ENCONTRO DE BLOGS EM ALVITO


    AOS 21 DE ABRIL DE 2007


    ESTAMOS ELABORANDO O PROGRAMA:

    -COMUNICAÇÕES S/ BLOGS

    -MOMENTOS DE POESIA

    -CANTARES ALENTEJANOS

    -VISITA AO PATRIMÓNIO CONCELHIO


    MARQUE JÁ NA SUA AGENDA!


    MAIS NOTÍCIAS MUITO EM BREVE.

    ResponderEliminar
  18. Só conhecia de A.Garret a literatura, mas vou em busca da poesia dele. muito bela. amei.
    :-)))

    ResponderEliminar
  19. passei só para dizer olá, ando numa fase que não dá tempo para nada.. Bjhs e boa semana

    ResponderEliminar
  20. doce Poesia

    encontrei aqui mais um excelente clássico

    Almeida Garrett-Folhas Caídas

    tenho o livro delicio-me muitas vezes a reler

    e lembrei-me:


    ....

    Eu sonhava . mas vivia:
    Prazer não sabia o que era,
    Mas dor, não na conhecia ...
    ........................

    Almeida Garrett-Folhas Caídas

    um abraço muito grande cheio de carinho

    beijinhos para ti

    lena

    ResponderEliminar
  21. Não conhecia esta diferença entre "desejo" e "amor", que não é uma diferença, mas uma simbiose.
    Aliás a minha cultura poetica é muitíssimo limitada.

    ResponderEliminar
  22. Atrevi-me a propor um nome! Acedeu! E escolheu muito bem! Obrigada e um beijo

    ResponderEliminar
  23. vc resumiu o que eu sinto em um poema vc só comfirmou que a vida imita a arte ,abrigado.

    ResponderEliminar
  24. A pintura é fabulosa e o poema é de uma contradição desconcertante.

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,