sexta-feira, abril 13, 2007

De Amor escrevo...


Fotografia de Haleh Bryan


De Amor escrevo, de Amor falo e canto;
E se minha voz fosse igual ao que amo,
Esperara eu sentir na que em vão chamo
Piedade, e na gente dor e espanto.

Mas não há pena, ou língua, ou voz, ou canto
Que mostre o amor por que eu tudo desamo,
Nem o vivo fogo em que me sempre inflamo,
Nem de meus olhos o contino pranto.

Assi me vou morrendo, sem ser crida
A causa por que em vão mouro contente,
Nem sei se isto que passo é vida ou morte.

Mas inda da que eu amo fosse ouvida
E crida minha voz, e da vã gente
Nunca entendida fosse minha sorte!


(Soneto I de Pêro de Andrade Caminha in "Poesias Inéditas")

10 comentários:

  1. Também eu "mouro", às vezes, mas é a sina de quem ama...

    ResponderEliminar
  2. Dois Prêmios, dois ótimos blogs! Que fôlego! O Ruben tem ótimo gosto. Adorei suas ilustrações das postagens! As poesias e musica idem. blogs muito bem cuidados.

    ResponderEliminar
  3. Dois Prêmios, dois ótimos blogs! Que fôlego! O Ruben tem ótimo gosto. Adorei suas ilustrações das postagens! As poesias e musica idem. blogs muito bem cuidados.

    ResponderEliminar
  4. Dois Prêmios, dois ótimos blogs! Que fôlego! O Ruben tem ótimo gosto. Adorei suas ilustrações das postagens! As poesias e musica idem. blogs muito bem cuidados.

    ResponderEliminar
  5. gosto de vir ...adoro ler-te.

    beijos

    della

    ResponderEliminar
  6. Um prazer conhecer-te. Beijinhos.

    ResponderEliminar
  7. cumprimentos
    vou colocar um link do seu blog num dos meus "joooliveira.blogspot.com", o outro meu blog é "terrasdetavares.blogspot.com"
    parabéns por este blog, se quiser coloque um link do meu, obrigado

    ResponderEliminar
  8. Uma visita á Poesia Portuguesa, é sempre um prazer renovado!

    Beijinhos da

    Maria

    ResponderEliminar
  9. Doce descanso ler e estar aqui...
    parabéns

    ResponderEliminar
  10. Fantástico este soneto e a imagem não podia ser melhor escolhida.
    Mil beijos da Ana

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,