quinta-feira, abril 26, 2007

O improviso de viver


Óleo de Nela Vicente

Voltaremos muitas vezes a um jardim de plátanos
com o luar engatilhado nos olhos.
Dir-te-ei nomes de estrelas ao acaso,
como um desvio da fronteira desenhada ao redor de nós.
Lado a lado, iremos rever novembro pelas ruas,
devassando vigílias, cantando em surdina
a intimidade de sermos amantes,
neste percurso de pássaros subitamente em fuga.
As árvores são discretas.
Por isso, levar-te-ei para habitares comigo
o improviso de viver.
Estaremos em toda a parte.
Sobrevoaremos os espaços interditos
e seremos a notícia anunciada
pela voz indomável dos que ostentam na boca
a urgência dos beijos e do riso. Vem comigo, amor.
No escuro chegaremos à fonte pelo cheiro da sede
e moldaremos na água a transparência dos momentos
em que a madrugada se comove.

Poema de
Graça Pires

21 comentários:

António Silva disse...

Concordo plenamente com a mensagem do Poema, bonita selecção, escolha e fundo musical fantástico.

Na realidade viver é uma aventura
qual retrato mágico
que nos conduz ao nostálgico
condiciona e por vezes amargura.

Cabe a cada um saber escolher
a decisão não deve ser precipitada
a selecção será ponderada
pois só assim estaremos aptos a VIVER.

È o maior mistério
isso lhe dá aquele alento
porque tudo tem o seu provento
e isso estimada amiga é o mais sério.

Um abração e felicidades bem mereces todo o carinho pela vida fora.

alice disse...

olá ;) que bom que as janelas se abriram ;) também sou fã da poesia da graça pires. fico contente com este post. a autora merece. beijo.

O Montanheiro disse...

Quem ousou dizer que as tuas janelas se tinham fechado?!... E logo com este lindo poema da Graça Pires...

Confesso que li (agora) este poema várias vezes, decorei-o e... reli-o de olhos fechados, acompanhado com esta soberba e divinal música!!! que só tu sabes escolher.

Simplesmente sonhei...

Obrigado minha amiga, por este momento extasiante.

Um beijo

Isabel-F. disse...

... bem lindo este poema ...

gostei muito de o ler.
obrigada pela partilha


beijinhos ternos para ti

Teresa David disse...

Sempre me pareceu que se a vida não fosse um improviso constante, se tornaria num "império" de regras e repetições sistematicas.
Bjs
TD

Vieira Calado disse...

Gostei. Não conhecia. Hei-de voltar.

Lumife disse...

Também gostei muito. Estou agora a conhecer Graça Pires.

Beijos

sonhadora disse...

Uma noite de sonhos nas estrelas.
Beijinhos embrulhados em abraços

Paula Raposo disse...

Um poema magnífico, que li absolutamente encantada! Beijos.

Furão disse...

"Habitar com alguém o improviso de viver" é das coisas mais belas que podemos ter...enquanto improviso.

Tal como no jazz, se ele desaparece, deixa, de algum modo, de ser jazz.

Gostei muito

Beijo

ANA LUCIA disse...

PASSEI PARA DIZER QUE AMO LER OQUE VC POSTA E DESEJAR-LHE UM BOM FINAL DE SEMANA...

Carlos Ferreira disse...

A autora consegue manter, com a maior regularidade, quatro blogs.

Assemelham-se na sua essência e intenção, mas são todos diferentes na grafismo e na música de fundo, que nos enleia e envolve como a poesia que publica, muita dela da sua autoria.

Parabém pelo bom gosto, pela exoberância da sua produtividade e pela partilha que faz com os seus leitores (dos quais me reclamo dos mais fieis) de tantos e tão belos momentos de emotiva espiritualidade.

Carlos Ferreira

Vera disse...

Uma excelente esolha! O poema é lindíssimo!
Parabéns pelo teu regresso.

Beijinhos

joão oliveira disse...

venho aqui ler e reler bons poemas, como este
boa semana

ana rüsche disse...

Graça,

Fiquei muito feliz com tua visita ao Peixe de Aquário! E daqui fui para muitos lugares.

um beijinho além mar.

lena disse...

Fico feliz por ver de novo as Janelas abertas

encontrar aqui Graça Pires é um prazer enorme

tenho seguído o percurso Graça Pires que admiro, gosto e dá-me um grande prazer ler a sua poesia

Graça Pires faz parte dos livros da minha biblioteca desde 1990

a sua passagem por aqui era "obrigatória", este é mais um dos seus belos poemas

nessa sede se a madrugada se comove, eu comovo-me sempre que a leio

partilho aqui um dos seus poemas, pois comentar é também partilhar, principalmente quando se trata de uma grande Poeta:


Na hora em que o poente escurece as minhas pálpebras,
só um secreto rumor me diz, que o meu corpo principia
na inclinação do silêncio: íntimo, profundo, confissão
de si próprio, espaço onde, desamparadas, as pernas
se desinibem e guardam, inquietas, a rotação da lua
nos meus olhos.


Graça Pires

deixo-te um abraço com muita ternura, um abraço carinhoso e de amizade

este cantinho continua com o teu excelente gosto, poesia, imagem e música em perfeita sintonia, parabéns , pelo regresso, pela perfeição e pela grande qualidade

beijinhos para ti terna menina

lena

Mariane Monteiro disse...

O amor é mesmo de uma beleza poética!!

Passo disse...

:) novamente a Graca :) bela escolha, belo jogo de palavras como uma dança de amantes :)

Betty Branco Martins disse...

Magnífico poema___________uma escolha a APLAUDIR

Beijos com carinho
BFsemana

henrique lioz disse...

Não conhecia. Gostei; não direi mais que os outros.

Ianê Mello disse...

Belíssimo poema, Graça Pires!
Dê um lirismo que nos transporta ao imaginário poético.
Bjs.