quarta-feira, julho 04, 2007

Uma sede de rosas...


Imagem de Ivan Kustura


uma sede de rosas.
uma sede tantálica, silenciosa,
como uma brasa ardente queimando.
incendiando as memórias, constante.
como uma inflorescência de cactos abrindo a noite.
cingida de espinhos, o silêncio perfurando.
e a carne.
em labaredas algemada, arfante, felina.
agrilhoada, salina de sangue, vibrante.

na ausência de uma frescura de rosas,
sinal algum pulsa a meu favor.
nem a fresca brisa que afaga os cactos mansos.

a única luz que fulgura e subsiste
é a do fanal do fragoso rochedo
que esquadria as brumas e os mares de escolhos
da minha noite negra povoada de medos:
- a saudade dos teus olhos.

[quem diz que a larga ausência causa olvido,
ignora que a saudade tem memória]


(Poema de
Zénite in Castelos de Vento)

11 comentários:

Paula Raposo disse...

Lindíssimo poema! Beijos.

Maria disse...

Belíssimo, este poema.
... a saudade tem memória, sim...

Mar Arável disse...

TUDO TEM MEMÓRIA SE LHE DERMOS VIDA.GOSTEI DO POEMA.

Maria Valadas disse...

Neste espaço, encontramos sempre boa poesia!

Temos aqui mais um belo poema.

Maria

Anónimo disse...

estou de volta e foste a minha primeira visita. tens ali em baixo uma foto que imagino #tenho uma imaginação farta# que sejas tu.
já li tudo e estava cheia de saudades de te ler.
imagens mt bonitas e escolhas fabulosas como este que é maravilhoso. parabens ao peta e a ti que partilhas momentos tão belo como este
beijinhossssss da Anna

JRL disse...

Tem aqui um blogue e pêras...

Gil disse...

Através de outros Blogs amigos, cheguei aqui e não resisti a passear pelo seu. E gostei do que vi e li. Bonito mesmo a poesia que aqui coloca. Já agora desculpe a pergunta e a sua?
Gil

♥≈Nღdir≈♥ disse...

ღღ OLÁ! ღღ
  *.*´¨) ღღ
   ღღ ¸..´¸..*´¨)*´¨)
  ¸.•´¸.•*´¨) ღ ¸.•*¨)
  (¸.•´ ღღ (¸.•` ღღ Bom fim de Semana* ღღ
       ¸.•*¨)             
    (¸.•´ ღ (¸.•*´¨¨*Beijos*´¨¨*•.¸ღ .•*¨)
                     (¸.•´
•.¸.♥`“•.¸♥≈Nღdir≈♥ ¸.•“´♥.¸.•

Poesia Portuguesa disse...

Raramente comento aqui, comentários. Os comentários, são para os autores dos poemas, porque sem eles, este blogue provavelmente não existiria.
No comentário do Gil (que pena não ter deixado endereço) lê-se: "…Já agora desculpe a pergunta e a sua?”

Satisfazendo a sua curiosidade, responderei que quem me conhece e sabe o endereço dos meus blogues, vai lá ler-me.
Este é um blogue e como já o disse num texto a este respeito, que teve como iniciativa, a descoberta da boa poesia que ia descobrindo nas minhas "viagens" pela net e que quis partilhar.
Tinha um outro objectivo, mas esse ficou, como se costuma dizer, em banho-maria. Talvez um dia, quem saiba, concretize esse meu sonho… por agora partilho tão somente a poesia que vou descobrindo e de que gosto.

Um abraço a todos :-)

Anónimo disse...

«[quem diz que a larga ausência causa olvido, ignora que a saudade tem memória]»


Apoiado! Nunca concordei com aquela ideia de «longe da vista, longe do coração». É mentira ;-)

Olá Amiga!!!
Tens sempre umas imagens belas a acompanhar os tão esclarecidos poemas. Livra, que tu nunca brincas em serviço!
Ehehehehhe...beijinho GRANDE

:-)

da
SULISTA

Anónimo disse...

Ola amiga

Aprecio imenso a poesia que aqui publicas .
Como não posso copiar peço-te que me envies por e-mail este lindo poema.

Obrigado desde já pela atenção que queiras dispensar-me.

domingos.f.vale@sapo.pt