terça-feira, janeiro 08, 2008

Mulher


Pintura de Gustave Coubert


nos momentos de incerteza
quando apetece fugir
e desistir da viagem

quando cansado de tudo
me sento à beira da estrada
e adormeço a coragem

são os teus gestos
mulher
que me chamam
para a vida

e sinto de novo a fúria
de desenhar um país


(Poema de Vieira da Silva)

9 comentários:

  1. Um lindo poema para abrir o ANO NOVO!

    Um abraço*

    Fanny

    ResponderEliminar
  2. A mulher, dir-se-ia, é o Caminho da Esperança na Redenção!

    Oxalá por ela se consiga a tão ansiada Paz Universal!

    Nós, os verdadeiros pacifistas, pensamos assim!

    ResponderEliminar
  3. Continuas com óptimas escolhas!
    Deixo um convite:

    http://www.escritartes.com/forum/index.php?referredby=3

    ResponderEliminar
  4. Leonor Sacramento10 janeiro, 2008 19:45

    Lindissimo!!! Imagem musica e poema excelentes, se fosses minha aluna, dava-te nota 20!!!

    ResponderEliminar
  5. "Sinto de novo a fúria de desenhar um país". Excelente. Bem precisávamos.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  6. (…)
    quando cansado de tudo
    me sento à beira da estrada
    e adormeço a coragem

    são os teus gestos
    mulher
    que me chamam
    para a vida (…)

    Que verdade, que verdade tão real.
    Bjinho

    ResponderEliminar
  7. Que bem ler palavras de um homem que não tem vergonha de assumir o papel essencial que uma mulher tem na sua vida, com aquela humildade que só os inteligentes possuem.
    Bjs e continua por muito mais anos este teu blog solidário com as palavras
    TD

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,