sexta-feira, fevereiro 15, 2008

Cantai ainda


Pintura de Diva Teresinha Canassa


Cantai ainda, sob as árvores
à beira rio, entre noite e dia.

Que as chuvas vos acordem
num dilúvio
de gestos feitos de alegria.

A fresca madrugada
se abra à luz
sonora e alada.

E que seja brando o vento
dos dias caindo devagar
sobre o teu rosto

de olhar, por fim, a terra amada
à luz do sol resplandecente

na pura harmonia do poema.

(Poema de
Vieira Calado)

10 comentários:

DE-PROPOSITO disse...

Cantai ainda........
---------
Por vezes é imperativo cantar. É uma forma de afastar os maus presságios. Já lá diz o ditado:
'Quem canta, seus males espanta'.
Fica bem.
E a felicidade por aí.
Manuel

Isa&Luis disse...

Belo poema pleno de sentires

Beijinhos

Isa

Maria P. disse...

Palavras serenas...


Beijinho e bom fim-de-semana*

Amaral disse...

Com satisfação volto à "Poesia Portuguesa" para encontrar momentos de bem-estar.
Sei que as escolhas são excelentes e dão a garantia de aqui partilharmos deliciosas sensações...
"Que seja brando o vento" nos maus momentos das nossas vidas!...

Fernando Peixoto disse...

Um poema que se enquadra perfeitamente no bom gosto literário e estético da
«POESIA PORTUGUESA».
Parabéns extensivos ao Vieira Calado
FERNANDO PEIXOTO

elvira carvalho disse...

Um muito bonito poema do amigo Vieira Calado de quem tenho a honra de possuir dois livros.
Um abraço e bom fim de semana

Graça Pires disse...

Gostei da "pura harmonia do poema" de Vieira Calado.
Um beijo.

Anónimo disse...

Alguns dos poemas que tenho lido de Vieira Calado, são duros sem alma mas este na sua harmonia conjugado coma imagem e com a música, torna-se numa agradável leitura. Parabéns pela escolha
João Dias

Rosa dos Ventos disse...

Belo poema para ser lido num dia como este!

Abraço

© Piedade Araújo Sol disse...

A simplicidade feita poema.