segunda-feira, fevereiro 25, 2008

Virás


Pintura de Peter Nixon


Virás solene e belo
com o brilho da prata
e o verde dos limos
e a maciez das pétalas
e a ternura inconfessada
dos guerreiros.

Sorrirás pelos trilhos da alva
desviando as facas
domando as fúrias
do meu descaminho.

Perguntarás:
Mulher quem és agora?
Lavarei as mãos
nos meus ribeiros
para nelas beber a tua voz.

Não te responderei
antes do anoitecer
quando o meu corpo
se esquecer do cardo
e se fizer o lírio.

Aguardarás sereno
como uma prega
na espádua do tempo.

A hora chegará
de retalhar as cordas
e atravessar o espelho
e apagar o lume
na casa da montanha.

Só então te direi:
Sou a pedra de canto
do sítio que habitavas.
Meu nome um monossílabo
como tu como eu
como chão como céu.

(Poema de
Licínia Quitério in O Sítio do Poema)

10 comentários:

Maria Clarinda disse...

Que lindo..."...só então te direi:sou a pedra de canto do sitio que habitavas. Meu nome...."
Um beijo grande, e obgda pelo momento lindo.

Lumife disse...

Virei... um dia "desviando as facas, domando as fúrias do meu descaminho" para ler e sentir o que escolhes sempre tão bem ao nosso sentir.

Beijos amigos

Anónimo disse...

Uma pausa. Um momento. E antes do jantar quedo-me encantado, com todo este ambiente. Parabéns pelo poema, pela imagem e pela música, que são verdadeiramente fabulosas.
Obrigado.
JA

Dom Mitílio disse...

Excelente escolha, a deste poste.Grato por me ter proporcionado, logo na minha primeira visita ao seu blogue, um raro momento de Poesia.Vou, daqui, directo ao "Sítio do Poema".
Só fico a perguntar-me qual terá sido o critério que orientou a escolha da imagem que o acompanha. Por muito que observe, leia e releia, não consigo encontrar qualquer afinidade entre a imagem e o poema...

Cumprimentos

Poesia Portuguesa disse...

Dom Mitílio

Tenho por hábito, não responder nos meus próprios post’s, preferindo visitar e responder na própria “casa”, de quem me comenta.

Como a sua página não permite comentários, abro uma excepção de forma a esclarecer, o critério que me levou a escolher esta imagem.

As três figuras simbolizam, os três principais momentos que, quanto a mim, são o ponto alto do poema.

Mas, como na arte da escrita ou da pintura, cada um interpreta consoante as suas próprias sensações, nem sendo sequer, muitas das vezes, o sentido que o autor tem em mente, cada um que interprete como a sua sensibilidade desejar.

Esta página, destina-se a divulgar poesia e as imagens, são um “pequeno” acessório…

Grata pela visita e pelas palavras.

Um abraço a todos,

Paula Raposo disse...

Gosto de ler a Lícinia. Parece tão fácil escrever-se assim...beijinhos.

legivel disse...

Uma agradável surpresa, a de vir aqui descobrir um belo poema de quem tenho o previlégio de ser amigo. Parabéns Licínia por este "Virás".
Parabéns também à "Poesia Portuguesa" pela criteriosa selecção.

abraço.

Graça Pires disse...

Belo este poema da Licínia. Sou visita de "O Sítio do Poema" onde gosto de ficar.
Um beijo.

Acordomar disse...

Deliciou-me este poema ...


Bj***

Anónimo disse...

Um poema muito sentido completado por uma musica tão linda que ainda faz refletir mais e na pintura vejo o envolvimento femenino em todas as fases da vida, os meninos representando quem sabe a maternidade a rosa a paixão e os restantes elementos a vida que se atravessa em nós. É assim que vejo num todo esta passagem
Ali em cima uma pessoa diz que não concorda com a imagem, eu achei bem.

Mil carinhos da Ju