segunda-feira, fevereiro 25, 2008

Virás

Pintura de Peter Nixon


Virás solene e belo
com o brilho da prata
e o verde dos limos
e a maciez das pétalas
e a ternura inconfessada
dos guerreiros.

Sorrirás pelos trilhos da alva
desviando as facas
domando as fúrias
do meu descaminho.

Perguntarás:
Mulher quem és agora?
Lavarei as mãos
nos meus ribeiros
para nelas beber a tua voz.

Não te responderei
antes do anoitecer
quando o meu corpo
se esquecer do cardo
e se fizer o lírio.

Aguardarás sereno
como uma prega
na espádua do tempo.

A hora chegará
de retalhar as cordas
e atravessar o espelho
e apagar o lume
na casa da montanha.

Só então te direi:
Sou a pedra de canto
do sítio que habitavas.
Meu nome um monossílabo
como tu como eu
como chão como céu.

(Poema de
Licínia Quitério in O Sítio do Poema)

10 comentários:

  1. Que lindo..."...só então te direi:sou a pedra de canto do sitio que habitavas. Meu nome...."
    Um beijo grande, e obgda pelo momento lindo.

    ResponderEliminar
  2. Virei... um dia "desviando as facas, domando as fúrias do meu descaminho" para ler e sentir o que escolhes sempre tão bem ao nosso sentir.

    Beijos amigos

    ResponderEliminar
  3. Uma pausa. Um momento. E antes do jantar quedo-me encantado, com todo este ambiente. Parabéns pelo poema, pela imagem e pela música, que são verdadeiramente fabulosas.
    Obrigado.
    JA

    ResponderEliminar
  4. Excelente escolha, a deste poste.Grato por me ter proporcionado, logo na minha primeira visita ao seu blogue, um raro momento de Poesia.Vou, daqui, directo ao "Sítio do Poema".
    Só fico a perguntar-me qual terá sido o critério que orientou a escolha da imagem que o acompanha. Por muito que observe, leia e releia, não consigo encontrar qualquer afinidade entre a imagem e o poema...

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  5. Dom Mitílio

    Tenho por hábito, não responder nos meus próprios post’s, preferindo visitar e responder na própria “casa”, de quem me comenta.

    Como a sua página não permite comentários, abro uma excepção de forma a esclarecer, o critério que me levou a escolher esta imagem.

    As três figuras simbolizam, os três principais momentos que, quanto a mim, são o ponto alto do poema.

    Mas, como na arte da escrita ou da pintura, cada um interpreta consoante as suas próprias sensações, nem sendo sequer, muitas das vezes, o sentido que o autor tem em mente, cada um que interprete como a sua sensibilidade desejar.

    Esta página, destina-se a divulgar poesia e as imagens, são um “pequeno” acessório…

    Grata pela visita e pelas palavras.

    Um abraço a todos,

    ResponderEliminar
  6. Gosto de ler a Lícinia. Parece tão fácil escrever-se assim...beijinhos.

    ResponderEliminar
  7. Uma agradável surpresa, a de vir aqui descobrir um belo poema de quem tenho o previlégio de ser amigo. Parabéns Licínia por este "Virás".
    Parabéns também à "Poesia Portuguesa" pela criteriosa selecção.

    abraço.

    ResponderEliminar
  8. Belo este poema da Licínia. Sou visita de "O Sítio do Poema" onde gosto de ficar.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  9. Um poema muito sentido completado por uma musica tão linda que ainda faz refletir mais e na pintura vejo o envolvimento femenino em todas as fases da vida, os meninos representando quem sabe a maternidade a rosa a paixão e os restantes elementos a vida que se atravessa em nós. É assim que vejo num todo esta passagem
    Ali em cima uma pessoa diz que não concorda com a imagem, eu achei bem.

    Mil carinhos da Ju

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,