quarta-feira, julho 30, 2008

Inocência


Pintura de Lucien Lévy-Dhurmer

É amena a hora e o tempo casto.

Na flor, o orvalho da manhã
estende-se em planos
indeléveis, indefinidos, breves,
qual pena em mão de criança
que do sonho nada teme.

E, sorrindo à brisa, se balança
indiferente ao conselheiro sem idade -
exponente pluriforme da morte -
em incauta obstrução à vulnerabilidade.

É amena a hora e o tempo casto.

Da silhueta ténue da rosa-menina
urge afastar densos passos
sobrepostos na tapeçaria da vida.

(Poema de Amita 'Fátima Fernandes')

15 comentários:

  1. belíssimo poema da amita, que muito gostei de reler aqui na poesia portuguesa. um grande beijinho cheio de saudades.

    ResponderEliminar
  2. UM IMENSO ABRACO DE PARABENS, MINHA AMIGA******!
    FELICIDADES JUNTO DOS QUE AMA!

    Heloisa
    .........

    ResponderEliminar
  3. Que dizer de um poema tão belo, aliás, a que já me habituou a Amita.

    Bjnhs

    ZezinhoMota

    ResponderEliminar
  4. Aqui nasceu o Espaço que irá agitar as águas da Passividade Portuguesa...

    ResponderEliminar
  5. Belo, muito belo... suave... como ela também...

    Beijo

    ResponderEliminar
  6. "É amena a hora e o tempo casto". Tão belo como a inocência...
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  7. Olá Otília

    Não sei como te agradecer, como dizer-te em palavras a partilha e a amizade das letras que nos embalam.
    Não sei falar-te dos poemas que pela caneta me passam em horas silenciadas...
    Mas sei que todas as letras e os seus intervalos têm significado: o de Amor de Dádiva e de Amizade.
    Falando um pouco de mim, tu sabes que este período é bastante difícil pelos afazeres que me clamam. Sozinha, sem solidão, é-me difícil desdobrar em três, porque duas de mim são escassas, para responder a todos os que me sentem e a quem devo estima e consideração. E são muitos...
    Imensamente grata pelas palavras que me dirigiram através de ti e, minha amiga, apenas te desejo que cada dia te seja preenchido de sorrisos doces.
    Um bjinho e uma flor

    ResponderEliminar
  8. Tudo voltou à normalidade!!!! Não sabes como me deixaste feliz. Deixei uma msg no Menina Marota. Vai lá ler.
    Kisssss da Isa

    ResponderEliminar
  9. As tuas escolhas são sempre fantásticas! Belo 'post' que aqui partilhas.
    Estou de volta.
    Cpmtos do JN

    ResponderEliminar
  10. Olá visitando vc novamente, e desjo um domingo feliz. Que Deus ilumine seus caminhos..
    Beijos carinhosos..

    http://sonhosecarinhosdetimel.zip.net

    ResponderEliminar
  11. Gosto muito de ler a Amita. Belo poema! Beijos para vocês.

    ResponderEliminar
  12. um travo doce na amargura da sua poesia. gosto de a ler. é dificil entendê-la. palavras muito elaboradas. demasiadamente elaboradas sem atingirem objetivos. diria.
    luisa amaral - allgarve

    ResponderEliminar
  13. E, sorrindo à brisa, se balança
    indiferente ao conselheiro sem idade -
    exponente pluriforme da morte -
    em incauta obstrução à vulnerabilidade.


    palavras que fazem tanto significado quem como eu já passou dos sessenta anos e espera que a vida ainda lhe traga alguma brisa.


    Cumprimentos respeitoso do
    Pablo Ubijara

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,