terça-feira, novembro 11, 2008

o paraíso é por ali


Pintura de René Magritte


o paraíso é por ali. eu vou por aqui. aprendi que afinal há paraísos.
não há paraísos.
aprendi a dizer que não há.
há.

é profunda a verdade. tão verdade que não há mentira.
ninguém mente.
tanto como o paraíso.

o paraíso é a palavra mais mentirosa do universo.

como a verdade. dimensional. metafórica. onda de abuso na violência da palavra - verdade. que não existe como forma. fórmula que os idiotas usam para esconder a cara.
afogam-se nela. triunfantes.
a maçã não existe.
articulo a palavra. abro as vogais. fecho o medo.
a verdade não existe. impetuosa. chata. segura. com efeito, não creio.
vamos lá ver o paraíso. eva. adão. não.
dê-me um gin-tónico.

Bandida. (Incluído no seu livro Apoplexia, pág.78)

9 comentários:

Anónimo disse...

nao gosto do surrealismo de alguns blog's que estragam tantas vezes a beleza das imagens e das pinturas mas conseguiste juntar um poema e uma pintura que no meu entender casam na perfeição. gostei especialmente desta frase - como a verdade. dimensional. metafórica. onda de abuso na violência da palavra - verdade. que não existe como forma. fórmula que os idiotas usam para esconder a cara.
afogam-se nela. triunfantes.-
é raro comentar já que não tenho blog nem registo ativo mas este é um blog que descobri por acaso e ao qual tenho permanecido fiel pela beleza das escolhas e da musica.obrigado aos poetas, à maria e a si senhora da poesia.
josé henrique simão

Bandida disse...

muito obrigada!


e um beijo

© Piedade Araújo Sol disse...

um poema "trabalhado" mas bastante bom.

a pintura uma delícia.

mais uma boa escolha.

beij

Hélder disse...

"Hello Tonic!
Que bom Gin!...
Gin, Gin...
Um pé alto cheio de mim.

Um gesto de arauto,
A lua cheia,
Ou não, enfim...

A teia a crescer, crescer
Um bandolim a solar
Uma qualquer
Sereia a tilintar.

Tlim, tlim, tlim...

Acordo enrolado
Num pudim
Em taça de cristal,
Tlim!... "

Adolfo Luxúria Canibal

Voltando ao "o paraíso é por ali" direi: de verdades e paraísos cada um sabe dos seus e, tão somente, se calhar, até nem sabemos nada de nada. É a nossa condição.

Gostei do poema. É um estilo refrescante.

Boa escolha e boa criação.
Beijos.
Hélder

isabel mendes ferreira disse...

excelente escolha.

.



de uma apoplexia a fazer caminhossssssss....


bom dia.

Paula Raposo disse...

Belo poema. Gostei.Beijos.

JOSÉ FARIA disse...

Gostei do contacto e do que me trouxeste.
Dá que pensar e talvez seja essa a ideia.
Pensa, pensa, logo encontras.
Fizeste-me lembrar a finta do faz que vai, mas não vai, vai depois.
A pintura é muito especial e também por aí se encontra o paraíso na arte e na origem da sua criação.
Parabéns!

Anónimo disse...

Completam-se poema imagem e música. Muito bem elaborado este poema. Soltam-se as palavras.
Beijos
Ju

dctorxix disse...

A minha inquietação é outra. A minha inquietação é ter tanta coisa ainda para fazer e já não ter tempo suficiente.......

dr x