domingo, julho 05, 2009

O berço vazio


A Persistência da Memória, de Salvador Dali


Ao perto essa parede sempre branca
Caiada por um trapo de peneira
Cuidava dessa cal como quem canta
A retratar famílias, à lareira.

Nesse cuidado branco de quem espanta
Eu me revi e aos meus na erma eira.
Em outra aberta o ritual que encanta
O dar as mãos assim, junto à fogueira.

E foi então que descobri a tela
Um prego forte, um cravo por trás dela
Mãe vestida de negro, o olhar frio.

As mãos pousadas no regaço e um terço
Ajoelhada, com o olhar disperso
E ao lado um berço, esperança, mas vazio.

Soneto de
José M. Barbosa

Breve nota:

Oportunamente comuniquei
aqui a criação do Club de Poetas Vivos, um espaço que tinha a finalidade de juntar Poesia e Poetas e que conta, neste momento, com mais de 500 associados.

Contudo, problemas técnicos levaram-me a tomar a decisão de abandonar o CPV e o próprio Facebook.

Não foi fácil tomar esta decisão, diria até bastante penosa, mas ela foi tomada e aqui é assumida.

Grata a todos os que me deram a honra e privilégio de percorrer este caminho, que foi, contudo, bastante aliciante e me deu a coragem de levar esta ideia através do
Roteiro Poético, pelo que estão convidados a uma “viagem” por aquele espaço.

Obrigada.

28 comentários:

  1. Poema. imagem. música
    Perfeita triologia!
    Joana Albuquerque

    ResponderEliminar
  2. encantada.



    pela "oração".



    o meu abraço ao Z.

    ResponderEliminar
  3. Obrigada por me teres dado também a conhecer este espaço magnífico.

    O soneto é belo. Aliás, tudo o que já vi por aqui partilha dessa beleza.

    Um beijo meu

    ResponderEliminar
  4. Agradeço-lhe por mostrar-me, coisas tão lindas, obrigada

    abraços...

    ResponderEliminar
  5. Estarei onde estiver irei onde for.
    Apagou-se a estrela que mais brilhava no facebook.
    Não devia de ceder muito menos deixar-se abater por chantagens de quem a não queira lá e o que lhe possam fazer ou dizer. O mundo é uma selva temos que ter forças para lutar.
    A Menina é uma força da natureza não percebe isso? Porque se deixa abater então por quem se calhar nem produz nada e sente-se incomodado ou incomodada com a sua força?
    Saí de ambos e como disse vou para onde estiver.

    Abraço do
    Luis

    ResponderEliminar
  6. Do poema, destaco

    "E foi então que descobri a tela
    Um prego forte, um cravo por trás dela
    Mãe vestida de negro, o olhar frio."

    ... tantas e tantas vezes assim é!
    a descoberta do nosso "EU", na tela branca (computador, por ex.) é, ou pode ser "consequência" de uma dor, de uma perda (física ou outra)... e ali se manifesta.

    Excelente escolha, Menina.

    Agora uma nota: Desde há vários anos a leio, a "conheço". Da Poesia Portuguesa e dos seus espaços e, desde semore tive e tenho, pelo seu trabalho, o maior respeito e apreço. Poderia ir mais longe e dizer-lhe que por aqui e por ali já nos cruzámos.

    Por princípio nunca aderi a nenhum "Facebook" ou similar... manias de bonecasdetrapos.

    Asseguro-lhe, contudo que, esteja a Menina onde estiver (note, não tem a ver com o facto de ter publicado a "Boneca", rigorosamente!!!), seguirei sempre o seu trabalho que muito honra a cultura portuguesa.

    Saudações com estima
    *__bonecadetrapos__*

    ResponderEliminar
  7. Descobri este cantinho cheio de poesia e estou adorando.
    jinhos
    Paulo

    ResponderEliminar
  8. até que enfim que a descobri!!! estranhei a sua ausência no FB, e estou feliz por descobrir este cantinho tão bonito! Lindo! Parabéns!
    lourdes ximenes

    ResponderEliminar
  9. Otilia,

    Ontem procurei-te no FB . Hoje comecei a achar estranha a tua ausência. Não sei o que se terá passado, mas tu não és mulher para vrar as costas às dificuldades. Amanhã telefonar-te-ei

    beijinho

    ResponderEliminar
  10. Óla :-)
    Adorei a ideia deste blog, muito interessante para ir explorando e ir conhecendo tantos outros que também escrevem como eu, os meus parabéns!

    PS - Eu também vejo o pôr do sol da minha cozinha, cai sobre o Cristo Rei... como uma bola de fogo que ele tenta agarrar de braços abertos, é lindo.

    Beijos*

    ResponderEliminar
  11. Muito bonito este soneto.
    A poesia de mãos dadas com a pintura.

    Gostei muito deste espaço, pelo que voltarei mais vezes.


    L.B.

    ResponderEliminar
  12. Olá Otília, um aplauso pela escolha
    do poema e imagem.
    Bem elaborado este soneto. Já o conhecia, mas é sempre um prazer, reler.Parabéns ao autor e para ti aquele beijo amigo acompanhdo por um bem haja por o divulgares na poesia portuguesa.

    ResponderEliminar
  13. É de uma nobreza notável esta tua disponibilidade por nos ires dando a conhecer ao longo dos anos, tantos poetas, e tantos poemas, com tão grande valor.
    Obrigado pela partliha.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  14. Lindo o seu poema. Adrei conhecer o seu blog. Virei sempre.

    ResponderEliminar
  15. Olá poeta; venho te acompanhando e admirando seus escritos. Parabéns.

    ResponderEliminar
  16. Olá
    Quanto ao FB, a falta de tempo não me permitiu apreciar devidamente tudo o que se publicava, mas era sempre com prazer que acedia à página. Pena que tenhas saído...
    Voltarei a estar aqui, sempre presente.

    Um beijo

    Ana

    ResponderEliminar
  17. Sou brasileiro, poeta e cronista e criei um blog para divulgar meus trabalhos. Se puder, dê uma passada por lá! Seguem aí dois poemas. Abraços!

    NÁUFRAGO (VICTOR COLONNA)


    Embarco numa rima ruminante
    E parto numa estrofe estropiada
    Eu paro, penso, pausa...e num rompante
    Encontro um verso que não leva a nada.

    Eu vejo a poesia tão distante
    Me afogo na superfície da palavra
    Eu sumo num soneto dissonante
    Sufoco numa sílaba que trava.

    Perdido numa quadra sem quadrante
    Sou menos que figura, figurante
    Pseudo-comandante, e vivo em dilema

    Espero que a onda não me traia
    E nado em desespero até a praia
    Salvo o poeta mas naufrago no poema.


    SUJEITO OCULTO (VICTOR COLONNA)


    O problema são as conjunções desconjuntadas
    As interjeições rejeitadas
    Os adjetivos desajeitados
    Os substantivos sem substância
    As relações de deselegância entre as palavras.

    É preciso superar o superlativo:
    O absoluto sintético
    E o analítico.
    Achar o verso
    Entre o verbo epilético
    E o pronome sifilítico.

    Falta definir o artigo inoxidável
    O numeral incontável, impagável.

    Resta procurar o objeto direto
    Situar o particípio passado
    E o pretérito mais-que-perfeito

    Desvendar a rima
    Desnudar a palavra
    Encontrar o predicado
    E revelar o sujeito.

    ResponderEliminar
  18. Sou brasileiro, poeta e cronista e criei um blog para divulgar meus trabalhos. Se puder, dê uma passada por lá! Seguem aí dois poemas. Abraços!

    NÁUFRAGO (VICTOR COLONNA)


    Embarco numa rima ruminante
    E parto numa estrofe estropiada
    Eu paro, penso, pausa...e num rompante
    Encontro um verso que não leva a nada.

    Eu vejo a poesia tão distante
    Me afogo na superfície da palavra
    Eu sumo num soneto dissonante
    Sufoco numa sílaba que trava.

    Perdido numa quadra sem quadrante
    Sou menos que figura, figurante
    Pseudo-comandante, e vivo em dilema

    Espero que a onda não me traia
    E nado em desespero até a praia
    Salvo o poeta mas naufrago no poema.


    SUJEITO OCULTO (VICTOR COLONNA)


    O problema são as conjunções desconjuntadas
    As interjeições rejeitadas
    Os adjetivos desajeitados
    Os substantivos sem substância
    As relações de deselegância entre as palavras.

    É preciso superar o superlativo:
    O absoluto sintético
    E o analítico.
    Achar o verso
    Entre o verbo epilético
    E o pronome sifilítico.

    Falta definir o artigo inoxidável
    O numeral incontável, impagável.

    Resta procurar o objeto direto
    Situar o particípio passado
    E o pretérito mais-que-perfeito

    Desvendar a rima
    Desnudar a palavra
    Encontrar o predicado
    E revelar o sujeito.

    ResponderEliminar
  19. Agradecendo a presença de todos e pedindo desculpa pela ausência e falta de actualização deste e dos outros blogues, mas o facto é que tenho o meu pc avariado e encontro-me num portátil de familiar.

    Deixo um abraço super saudoso e espero que a ausência não se prolongue por um tempo muito demorado.

    Otília Martel

    ResponderEliminar
  20. Bom dia Poesia Portuguesa.

    Deixo como sugestão o endereço www.bubok.pt. Aqui pode encontrar a primeira editora online para auto-publicação neste nosso país à beira mar plantado. Esta é uma forma de democratizar a edição de livros em que, à semelhança do YouTube em relação aos vídeos e do MySpace em relação à música, é o autor quem tem o controlo sobre tudo.

    Na Bubok são as suas ideias que ganham liberdade.

    O processo de publicação é muito simples e rápido, deixando-lhe com o controlo total do seu livro. São 5 passos a seguir, do upload do ficheiro com a sua obra, à escolha do preço da obra. Através do sistema Print On Demand, não há tiragens mínimas obrigatórias. A impressão do livro é feita por encomenda, evitando os excedentes poeirentos e poluentes.
    Romances, fotografias, receitas de culinária, monografias, diários de viagem, conselhos, etc, tudo pode ser publicado na Bubok.

    Depois de publicar, é o autor quem promove o seu livro: na livraria da Bubok; através de sms´s, comments, fives, vídeos, fotos. Vale tudo, só depende de si!

    Se gostou da Bubok.Pt e pretende ajudar-nos a divulgar este projecto a todos os autores que queiram publicar os seus conteúdos, pedimos-lhe que inclua um link para o nosso blog na sua lista de links: http://www.bubok.pt/blog/

    Qualquer dúvida que surgir, não hesite em contactar-me: marta.furtado@bubok.com

    Vá a www.bubok.pt, conheça o projecto e comece a publicar.

    ResponderEliminar
  21. Querido(a) novo(a) amigo(a),estou precisando muito da ajuda de todos os amigos. estou montando uma minibiblioteca comunitária pra crianças e adolescentes na minha comunidade carente aqui no Rio de Janeiro,se voce puder me ajudar estou fazendo uma campanha de doações. pode doar qualquer quantia no Banco do Brasil agencia 3082-1 conta 9.799-3, ou pode doar livros ,ou pode doar máquina de costura, ou pode doar retalhos, ou pode doar computador usado. se quizer fazer aguma doação entre em contato com meu email: asilvareis10@gmail.com ,eu darei o endereço de remessa. se voce não puder me ajudar com doações pode divulgar minha campanha, tenho 2 blogs no google gostaria da sua visita: Eulucinha.blogspot.com ,obrigado pela sua atenção.

    ResponderEliminar
  22. 10 anos raquel arêde martins são miguel19 outubro, 2010 19:54

    aqui vai um poema que eu escrevi, claroque não se comparam com eses:

    de quem são os olhos misteriosos que parecem hipnotisar quem tiver a sorte de os olhar?
    pois claro, são do gato
    curioso e astuto pois nisso é um ás,
    só que para nadar...
    já não é capaz,
    está claro e provado
    que o seu ronronar terno e morno só podia dar
    um lugar no colinho do dono
    E nas noites de Inverno
    quele quentinho junto á lareira
    fá-lo logo adormecer
    no seu cestinho de madeira.


    está giro?

    ResponderEliminar
  23. sou cego,
    vivo no mundo da escuridão
    não sei quem es
    mas sei que tens bom coração
    não me deixes agora,
    sou cego,
    mas sei que contigo estou a falar,
    e olha que tenho boa memória,
    mas agora vou contar-te tudo o que sei, a minha história.
    Vivo numa casa fria e escura
    não tenho ninguém.
    viajo por aí,
    viajo por ai além
    sem rumo,por isso não vejo nada,
    vejo tudo.
    Agora que já te contei
    a minha história
    conta-me tu a tua.
    Dis-me o que viste
    e eu dirte-ei
    o que eu vi.
    Vi tristeza, e alegria
    e tu?


    Fui eu que escrevi, fixe ã????
    O que acharam?
    O vosso está muuuuuiiiitttoooo fixe.

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,