sábado, novembro 19, 2011

Eternidade


Fotografia de Josep Ruaix Duran


Chorar as lágrimas do espanto
de te saber flor em mim.
Canto
que a noite encerra. Jasmim
em flor. Jasmim feito amor.

Primavera que encerra o cálice
que bebi em teus olhos.
Derrama
as palavras que nutrem o âmago
de uma caminhada em espera.

Suspensa no olhar que ama
a via que se percorre,
que desespera na água que se solta
da noite e
chama
pelo caminho que o sol faz reluzir
e pelo brilho de uns olhos eternos


Poema de
Susana Duarte

5 comentários:

Carlos Ferreira disse...

- Parabéns à Susana Duarte pelo seu belo poema.

- Agradecimento à "POESIA PORTUGUESA" pela partilha e parabéns pelo bom gosto da imagem com que o ilustrou.

Carlos Ferreira

Peter disse...

A foto, a música e o belo poema, mitigaram o terrível fds.
Obrigado.

Dança para restabelecer a lua eclipsada disse...

http://anjocanhoto.blogspot.com/

João Garcia Barreto disse...

Sublime!

Terra de Encanto disse...

Muito grata pelas vossas gentis palavras, deixo-vos um convite para me visitarem em http://terradencanto.blogspot.com

Susana Duarte