sábado, novembro 19, 2011

Eternidade


Fotografia de Josep Ruaix Duran


Chorar as lágrimas do espanto
de te saber flor em mim.
Canto
que a noite encerra. Jasmim
em flor. Jasmim feito amor.

Primavera que encerra o cálice
que bebi em teus olhos.
Derrama
as palavras que nutrem o âmago
de uma caminhada em espera.

Suspensa no olhar que ama
a via que se percorre,
que desespera na água que se solta
da noite e
chama
pelo caminho que o sol faz reluzir
e pelo brilho de uns olhos eternos


Poema de
Susana Duarte

5 comentários:

  1. - Parabéns à Susana Duarte pelo seu belo poema.

    - Agradecimento à "POESIA PORTUGUESA" pela partilha e parabéns pelo bom gosto da imagem com que o ilustrou.

    Carlos Ferreira

    ResponderEliminar
  2. A foto, a música e o belo poema, mitigaram o terrível fds.
    Obrigado.

    ResponderEliminar
  3. Muito grata pelas vossas gentis palavras, deixo-vos um convite para me visitarem em http://terradencanto.blogspot.com

    Susana Duarte

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,