sábado, dezembro 17, 2011

desiguais se igualam


Imagem de James Harrigan



desiguais se encostam
desiguais se destapam em fios de som
metálicos se enferrujam
desiguais se sentem
sem sentir o igual do tacto
desiguais se tentam enroscar
metálicos
gritam finos sons de cordas rijas
desiguais se amam em cordas
esticadas
desiguais se aconchegam
em cordas que vibram
desiguais se gritam
metálicos
não se olham
desiguais se tocam em notas de viola
desiguais se igualam
em desalinho se deitam
alinhados
encostados se amam
encostados se ouvem
desiguais gritam
metálicos
desiguais se misturam
em sons desabafados
deitados em tecidos amarrotados
desiguais se igualam


Poema de
Teresa Maria Queiroz

4 comentários:

Pastelaria disse...

Obrigada pela partilha :))

Teresa Maria Queiroz

josé marinho disse...

Um poema oportuno. Deixo aqui o convite para a ligação do meu primeiro livro de poesia, editado como previsão da futura edição impressa. Um Natal pleno de Saúde e Alegria! http://pt.scribd.com/doc/75264095/FALEMOS

Anónimo disse...

Parabéns p0elo blogue e pelo poema que gostei muito
beijinhos da Laura

© Piedade Araújo Sol disse...

um poema com sentido

Obrigada pela companhia durante o ano!

e votos de Boas Festas para ti também!

um beij