quarta-feira, abril 04, 2012

A poesia não morreu

Pedro Pires



A minha impaciência não cabe no poema
ou na pedra afiada pelo silêncio
que me fere os pulsos.
Gravei a sangue o furor dos dias
e deixei rasgar em minha boca
os frutos da sede e do assombro.
Não me venham dizer
que precisamos de profetas
ou de heróis ou de sábios
para o mundo ser salvo.
Nós acreditamos que o brilho das manhãs
se arredonda nas arcadas do tempo
assediando o sonho fraterno dos poetas.
A poesia não morreu.
De memória em memória
ela atravessa as palavras
com a farpa da revolta.
É preciso gritar que a poesia não morreu?

Poema de Graça Pires

9 comentários:

MARIUS disse...

a poesia está viva e bem VIVA!!!
a provar isso mesmo este fantástico poema da poetisa Graça Pires
a nova roupa do PP está maravilhosa! És uma grande MULHER MM!!!!
grande abraço

Graça Pires disse...

Bem haja pela divulgação.
Um b eijo e uma Páscoa Feliz.

Anónimo disse...

Boa Pascoa para todos.
Está linda a nova cara da Poesia.
Sou fã da Graça Pires e visito-a no seu blogue sempre que venho ao computador.
Parabéns pelas escolhas da poesia e dos poetas.

jinhos
Carmen

Virgínia do Carmo disse...

Este poema é belo e enorme, só por si um grito que nos recorda que a poesia não morreu mesmo, nem morrerá.

Terno beijinho para a Graça e outro para ti, Otília.

Teresa Poças disse...

"Nós acreditamos que o brilho das manhãs/se arredonda nas arcadas do tempo/assediando o sonho fraterno dos poetas."

Absolutamente divinal! Aconteça o que acontecer, as manhãs e as noites cumprirão sempre o seu horário e nós seremos sempre seus vizinhos. Animais que transmitem os raios de luz. Pessoas que a absorvem. Ou poetas que a refletem para poderem receber outro brilhar.

Visite o meu blog de poesia se as manhãs e as noites lhe derem tempo: http://esculturadepalavras.blogspot.com

Cumprimentos,

© Piedade Araújo Sol disse...

Poesia não morre, enquanto existirem Poetas.

um belíssimo poema da Graça uma Porta que muito admiro.

beij

"SAMO" disse...

A Poesia nunca morrerá, ela existirá sempre enquanto houver vida, estará sempre presente em qualquer movimento do Universo! O que é preciso é haver quem a escreva, quem a transporte da sua forma mais imaterial e a transforme em letras.

Jaime A. disse...

É preciso gritar, também, que os poetas não morreram?
Talvez venha deles o alento da libertação destes estúpidos tempos, desta realidade teimosa.

Rui Diniz disse...

Este poema foi lido no InVersos!

O video com a leitura pode ser encontrado aqui:

http://invers0s.wordpress.com/2014/01/26/inversos-graca-pires-a-poesia-nao-morreu/