sexta-feira, abril 27, 2012

Ser Poeta.


Ser poeta

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Áquem e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

Florbela Espanca
(1894-1930)

6 comentários:

. intemporal . disse...

.

.

. um espanto de tanto . um poema soberbo .

.

. ao qual nos rendemos .

.

. ir.remediavel.mente .

.

.

FMOSPOETA disse...

Olá, estive a ler o seu blog e gostei imenso, queria então pedir se poderia divulgar também alguns dos meus poemas, a poesia hoje em dia não tem a importância que deveria ter, e torna-se difícil para jovens escritores como eu conseguirem divulgar, e verem seus textos se espalharem pelo publico em geral. Também tenho um blog é o http://fmospoesia.blogspot.pt/. Espero que aprecie a leitura.

Nivea disse...

Espanca, uma poetisa de extraordinária sensibilidade.
Quanta iluminação, cercada de pureza, simplicidade e sinceridade
Sua poesia é bruta mas também é pura, tal qual a explosão dos astros.

Uma fã incondicional da "Florbela"!
N.N

António disse...

Para mim o mais belo poema de Florbela Espanca, imortalizado para sempre, também através da voz inconfundível de Luís Repressas.

Cristina Oliveira disse...

O poema da minha vida!

queriadeti.blogspot.com

annie hall disse...

Quem não gosta de ler ou ouvir este poema ?
Quem não sonha poder dizer o verso " E dizê-lo cantando a toda a gente!"