sexta-feira, setembro 30, 2005

Natália Correia

Imagem daqui


Com a paixão desconcerta o pensamento
E ama. É fisica a profundidade.
Inspira Vénus o desejo ardente
Para nos mover à ultima ansiedade.

Num ser univoco o amor enleia
Os corpos nus. Na área da magia
Rompe a brancura; e cresce, ao tempo alheia,
A onda do prazer, causa da vida.

Segura no infinito a carne aberta
Atrai o sangue que corre para a verdade
Procurando na joia mais secreta
Do corpo a inicial da eternidade.

Um sol em agonia a tarde gera
E vai o espasmo ao mais fundo da alma
Buscar o grito casto que se enterra
Na terra femea e faz cair a mascara

Langues e lividas esfolham-se então nos corpos
estrelas caidas no trono da loucura.
O sangue enrosca-se e faz sair dos poros
Um fumo de almas que mastigam nuvens.

5 comentários:

vero disse...

Muito bonito este teu cantinho! Beijinhos e bom fim-de-semana
:)*

Zica Cabral disse...

gosto muito dos poemas da Natalia Correia e tenho gostado muito dos autorea que aqui puzeste.
Obrigado pela tua visita ao meu blog das flores e pelo comentário que lá deixaste. Continua a espalhar a poesia portuguesa porque bem merece.

Já agora visita os outros meus blogs e diz o que pensas
beijinhos Zica

Anónimo disse...

Natália Correia foi uma grande Senhora da Poesia. Sou um grande admirador dela.

Paula Raposo disse...

Natália Correia, imortal! Um poema sem comentário, as palavras não são suficientemente generosas para as escrever, depois de a ler!

Zica Cabral disse...

todas as palavras de Natalia Correia que em conjunto constroem os seus versos , são em si poesia pura. Não há palavras minhas , tão corriqueiras, que bastem para cometar os seus poemas.
Beijinhos agradecidos por me dares tanto prazer na leitura dos nossos poetas
Zica