quarta-feira, novembro 30, 2005

Garras Amargas da Indiferença...




Apareces em circulação... como corre depressa a noticia da indiferença!
Não te sinto nada perdido... aliás, vi-te muito encontrado!
Engraçado quando somos vistos sem saber!
Tantos sinais tantos... Quem queres Salvar agora?
É tarde, afoguei-me, cama mole, mar de lágrimas escusadas!
Foi na noite de ontem, olhei e bastou para
entender o código das tuas/vossas respostas... Era uma vez,
contem-me histórias, cantem-me músicas,
toquem-me doces melodias, melosas, peganhentas, caramelo,
sempre iguais, iguais, iguais...e será que nunca aprendo?
"O mal é bom e O bem é cruel"alguém cantou...
Fechaduras forçadas, portas arrombadas,
e a minha vida escancaradamente trancada.
São os presentes acres que estes meus (des) amores deixam,
breves amores... longos... eternos... ausente... presente...
todos bic laranja de tinta impermanente.
Não há excepção à regra,
cada um de maneiras, jogos, palavras, sonoridades diferentes,
cada um como cada qual...mas todos do mesmo circo!
Dura enquanto dura o imaginar,
cativar a gazela, apanhar, caçar, e no fim... este amargo de boca!(dá-me um rebuçado!)
E será que nunca aprendo?
O bem é cruel, é esperança estúpida de encontrar o eterno e sonolento aconchego...
O mal é bom, é voltarem sempre quando as minhas Garras crescem...
Amor meu, afecto mais bonito do mundo, mil vezes meu querido...
diferente de todos mas sem excepção, asas, com todas as minhas penas e saudade... desculpas educadas!
E a ti, tu que te queres salvar no meu llanto triste, que morres porque me vês sorrir...
a ti, a ele, ao outro, ao que está e já foi... a todos que "tropeçam de ternura" por mim,
deixo-vos o bem(cruel),
o meu sol, o meu maior sorriso, a minha ilha, brisa,
a sonora gargalhada, o doce gelado, a fruta do sono, o cheiro, o palco, toque de pele,
o que foi e podia ter sido, o som, viagem que fizemos,
musica que me escreveste, abraço dado no T.
e toda a minha paixão despejada dentro da tua caneca de INTENSO CAPPUCCINO ( sin azucár añadido)
que tanto amavas/detestavas por ser acre e doce.
Aos meus Homens Meninos,
devolvo tudo o que me deixaram,
...Garras da minha Amarga Indiferença!



da,  A. em "Gozo a brisa que me dão..."


Imagem Google

22 comentários:

  1. Cheio de garra, cheio de força, este poema! Gostei! BFS

    ResponderEliminar
  2. Não conheço o blog mas confesso que fiquei cheia de curiosidade! :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. é um dos blogs que acompanho e adorei ver aqui este poema

    tanta força têm as palavras da A.

    foi excelente trazeres até aqui este poema onde as palavras também dançam envolvidas em emoções como só ela as sabe fazer dançar

    beijinhos e tenho que os dar às duas

    lena

    ResponderEliminar
  4. Ronda do conjurado,

    Mistura de sentimentos.
    raiva, amor, dor, desespero, paixão, um turbilhão de leitura...simplesmente maravilhoso, soberbo.
    Beijo de bom feriado,

    ResponderEliminar
  5. Ai...e eu aqui,a vergonha marcada em cor na minha cara!!
    Nunca pensei ver as confusões
    que descrevo nesta casa,
    casa tão cheia de sons claros
    e notas afinadas...
    Vim descompassar o tom,
    como alguém sempre me diz...
    Mas vim...e agradeço teres-me deixado vir,é realmente bonito,tão bonito!

    Do fundo do meu coração e com todas as forças que tenho,
    deixo por ti o meu maior
    abraço,o meu maior carinho
    e um obg tamanho do mundo!
    Ai...acredita,corei!

    ResponderEliminar
  6. Venho retribuir a visita. Devo dizer que gostei deste teu espaço e hei-de cá voltar. Vou linkar-te.

    ResponderEliminar
  7. sin llorar y sin añadir azucar , ese es un de los poemas que mas gusté daqui :)
    besito

    ResponderEliminar
  8. leio o texto e ouço-te a nele a respirar porque tenho o prazer de conhecer a tua sensibilidade pessoalmente.

    beijinhos da leonoreta

    ResponderEliminar
  9. Parabéns para a "Poesia Portuguesa"

    Conheço a escrita da A. É sublime!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  10. belo poema. belas palavras. muita emoção. gostei de ler
    jocas maradas

    ResponderEliminar
  11. Poesia, como ela é divina!
    Já cá tinha estdo ... e gosto da tua selecção de poemas!
    :)
    Bjs

    ResponderEliminar
  12. Só posso dizer que adorei.
    A poesia surpreende-nos sempre.

    ResponderEliminar
  13. Como sabes eu gosto de poesia e aqui estou no sitio certo... Gostei
    Bjinho Ricky

    ResponderEliminar
  14. A "poesia portuguesa" habitua-nos a ler do que gostamos. Texto de sensações doces, onde a natureza ganha vida dentro de cada um.
    Quero convidar-te a visitar e ler a Aquarela que postei hoje. É uma ternura para ser partilhada!

    ResponderEliminar
  15. Gostei muito desta tua exposição P.P..
    Em certos pontos identifico-me com esta forma de escrever. A. em: um blog a visitar e explorar.
    .
    .
    Um bom fim de semana, ok?

    ResponderEliminar
  16. Belo e forte poema, com imagem a condizer. beijos

    ResponderEliminar
  17. Agradeço a visita e voltarei. Um bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  18. Dádiva dos deuses, ter conhecido este blog. Quanta bela poesia aqui tenho conhecido! Muito grata.

    Bom fim de semana.
    Meu beijo.

    ResponderEliminar
  19. Poesia Portuguesa, continue com este bom trabalho de divulgação poética. Beijinhos.

    ResponderEliminar
  20. Bem, a música é uma doçura, com uma interpretação sublime, sobre um tema de Carlos do Carmo. Só Dulce Pontes! Revivi anos atrás e emoçóes escondidas!
    O poema está um sonho!
    É tão boa a " Poesia Portuguesa"
    bjhs doces

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,