quarta-feira, dezembro 07, 2005

Rotas clandestinas




Por que mares, que rotas, que corrente
Que imaginárias linhas te orientam?
Que forças, que vontade, que vertente
Que marés, que navios, que sextante,
Que maré desconhecida e imprudente
Te conduz por essa rota tão distante?

És a grande equação duma viagem
Que naufraga no meio dos meus braços
Sem indícios de azul ou descoberta
Que ao mesmo tempo oprime e me liberta
Na rota clandestina dos teus passos

Não sei onde se cruza o acaso e o destino
Não sei por onde passa a linha invisível
Dessa geometria desafiando o impossível
Que sinto nos meus olhos rasos de ânsia
Fitando a vaga e proibida azul distância

Mas sei que em cada rua há uma esquina
Entre o tédio e a rotina há uma abertura
Há sempre uma hora de fogo e aventura
Há um mar imaginário em cada ensejo
E hás tu, onde nasce o sonho e o desejo

Não me venham pois dizer que nunca mais
Não me falem do rigor dos pontos cardeais
Não me venham dizer que se acaba o infinito
Estão aquém do sonho as leis que me ensinais
É nas leis que há em mim que eu acredito

E por mais que seja exacta a geografia
Depois de tanto tempo a esperar por um só dia
Nasceu dentro de mim um Sésamo dourado
Que há-de encontrar o teu nome nas marés,
Nos becos da cidade, num semáforo fechado
Num sentido proibido, em qualquer lado
Todos os olhares me dirão quem és!...



Poema de Frog
(Junho de 2005)


(Lançamento do Livro de Poemas "Gotas de Luz" de Albino dos Santos Ferreira (Frog), no próximo dia 10 de Dezembro pelas 18 horas, no auditório da Fnac / Gaia Shopping.
Mais informações em Blog
Outra Voz )

21 comentários:

  1. encantada com o poema digo obrigada aos dois

    ao Frog por ser quem é e conseguir que cada palavra me toque a alma

    a ti por o trazeres até ao teu belo cantinho

    deixo-te algo meu com carinho:
    "
    no mar construí murmúrios
    longe do silencioso secreto horizonte

    l.maltez"

    beijinhos meus

    lena

    ResponderEliminar
  2. Sempre que me é possivel, vou ao blog do frog, e este é um bom trabalho poético.
    Beijinhos, Poesia Portuguesa.

    ResponderEliminar
  3. O Frog é um poeta completo. Eu sou fã. Completamente.
    Desejo-lhe toda a felicidade para o seu livro.
    Beijos

    ResponderEliminar
  4. Um poema com a marca de qualidade do Frog. Fico feliz com a notícia do livro. Que tudo lhe corra o melhor possível!
    Beijinhos e bom feriado

    ResponderEliminar
  5. O nosso querido Frog tem poemas maravilhos e este livro há-de ser divino! Tenho pena de estar longe e não ser possivel assistir ao lançamento, mas haverei de ter um exemplar só para mim!

    Bjk e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  6. Muito contente com a tua escolha, o Frog bem a merece!
    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  7. Lindo mesmo, é sempre bom ver o trabalho dos nossos amigos. Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Deixo aqui o meu apreço e admiração pelo nosso querido poeta.

    Um beijinho doce para ele e outro para ti.

    ResponderEliminar
  9. Poemas - palavras - sentires. Da alma de um poeta como o frog, só tenho uma palavra:

    SUBLIME!

    Beijinhos

    Bom feriado

    ResponderEliminar
  10. um belíssimo poema. Não vou poder estar (e tenho pena). Aniversário de uma familiar....Bj de luz

    ResponderEliminar
  11. Que bela escolha! Tenho tanta pena de não poder estar presente :-(
    Mas o livro, quando cá chegar, hei-de tê-lo.
    Bjinhos

    ResponderEliminar
  12. Que bela escolha! Tenho tanta pena de não poder estar presente :-(
    Mas o livro, quando cá chegar, hei-de tê-lo.
    Bjinhos

    ResponderEliminar
  13. Apreciadora da escrita de Frog, gostei de o ler aqui.

    Ui! Às vezes, como neste 10 de Dezembro, o Porto fica tão longe! :(

    Beijinho de boa noite.

    ResponderEliminar
  14. Momento belo este que me proporcionaste: um belíssimo poema do Frog acompanhado por um fundo musical condicente! Obrigada por este post e este momento.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  15. Rotas clandestinas não é um poema qualquer. É uma delícia pra devorar.
    "Mas sei que em cada rua há uma esquina
    Entre o tédio e a rotina há uma abertura
    Há sempre uma hora de fogo e aventura
    Há um mar imaginário em cada ensejo
    E hás tu, onde nasce o sonho e o desejo"

    ResponderEliminar
  16. um encanto de poema...
    não conheço o Blog do Frog...
    vou lá de seguida.

    bom fim de semana para ti,

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  17. Já tive oportunidade de lhe dizer o quanto fiquei feliz pelo lançamento do seu livro de poesias! Ele merece! É livro que farei questão de adquirir!
    Beijo e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  18. belo este poema do frog

    "Que há-de encontrar o teu nome nas marés,/Nos becos da cidade, num semáforo fechado/Num sentido proibido, em qualquer lado/Todos os olhares me dirão quem és!..."

    bela escolha
    jocas maradas

    ResponderEliminar
  19. Um poema deveras muito belo. Parabéns!!!

    ResponderEliminar
  20. You have an outstanding good and well structured site. I enjoyed browsing through it » »

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,