sexta-feira, maio 12, 2006

Como um barco...



Como um barco assim cheguei
na calma ondulação das tardes
e a ti eu aportei...

E lento eu desfiz
a armação das velas e te amei
enquanto o sol brilhava...

E nas gotas que ficaram
nas curvas do teu corpo
dos suores de nós...

Reentrei firme e fundo
e nessas águas inventamos
o caminho para casa...


(Poema de Eduardo Leal)





Imagem de autor desconhecido

20 comentários:

  1. Obrigado pela visita.
    Também gostei muito deste espaço.

    Bom Fim de semana

    ResponderEliminar
  2. O azul causa até preguiça! :)




    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Agradeço a tua visita, gostei do teu canto.
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  4. Mas que imagem tão bonita!! até me esquecia de ler o poena. Sintonia perfeita. Gostei mesmo muitooooo!!!

    Bjinhosssss :)

    ResponderEliminar
  5. navego ao sabor do vento, como um barco sem remos...
    bjx e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  6. Imagem bem escolhida para enquadrar um naútico poema!...
    Gostei!
    jorgesteves

    ResponderEliminar
  7. Poema lindo... diz tudo em tão pouco...
    da forma de fazer amor... com amor....

    ResponderEliminar
  8. Posso levá-lo para o meu Blog???

    ResponderEliminar
  9. Onde o mar e amar se fundem. :)))
    Bom fim de semana
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  10. São sempre fabulosas as tuas escolhas!

    Bjks e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  11. Muito Obrigado por ter "roubado" este poema.
    E a imagem é sublime...

    Um bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  12. De vento em popa.
    Do Maio dos trabalhadores passámos ao Maio dos amores.
    Boa escolha.

    ResponderEliminar
  13. a imagem e o poema estão excelentes

    senti-me navegar no mar enqunto lia cada verso do poema, senti o sol brilhar

    sempre com boas escolhas


    beijinhos muitos para ti


    lena

    ResponderEliminar
  14. Parabéns pelo blog, está muito interessante!
    E uma vez que gosto de poesia portuguesa, obrigada por tb a mim "dedicares" o blog

    ResponderEliminar
  15. Nas pausas de um cântico de trabalho, a leitura de anónimos e ilustres, em poesia portuguesa.
    De cantigas de Maio, de Liberdade em homenagem. de amores procurados e trocados.
    O azul de um mar que espera.
    As velas ainda recolhidas, com o barco ao cais, reclamam por mãos desejadas que as acompanhem nop caminho da vida.

    Mais um alento se conquista, no regalo de palavras estas para a vista.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  16. Uma belíssima navegação. Fiquei a conhecer outro poeta. :)
    Beijos

    ResponderEliminar
  17. Adorei esta viagem. Sempre boas escolhas, por aqui!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  18. Sem dúvida um poema lindo!
    bjnhs doces

    ResponderEliminar
  19. Que lindo!
    Este espaço é de uma paz apetecivel. Adorei...tudo: o poema, a imagem, o som
    Parabéns

    ResponderEliminar
  20. Um Bog a revisitar sem dúvida

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,