quinta-feira, maio 04, 2006

O corpo...


É pêssego
Tangerina
E é limão

Tem sabor a damasco
e a alperce

Toma o gosto da canela
de manhã
e à noite a framboesa que se despe

De maça guarda o pecado
e a sedução

Do mel
o açúcar que reveste

Do licor
a febre que no seu rasgão
me invade me inunda e me apetece

Mergulho depressa a minha boca
e bebo a sede
que em mim já cresce

Delírio que me enche
de prazer
tomando o ponto num lume que humedece

Devagar mexo sem tino
as minhas mãos

Provando de ti
o que de ti viesse

O anis do esperma
o doce odor do pão
que o teu corpo espalha e enlouquece

(Poema de Maria Teresa Horta in Só de amor,1999)


Imagem enviada por email, de autor desconhecido

10 comentários:

  1. Olá tudo bem?...
    Agradeço a visita na Galeria,as portas estão abertas á (poesia portuguesa),e por falar nisso quero destacar esta lembrança deste poema que tem como pano de fundo as(frutas...) que nos leva á loucura (delirío que me enche de prazer),diria que foi e é uma aposta ganha esta escolha...
    Obrigado...Tó Luis

    ResponderEliminar
  2. um fulgor, um ápice..um tornado de palavras, sei lá. É belo.

    ResponderEliminar
  3. Gosto muito.Ontem à noite fui a uma tertúlia musical em redor da Poesia de Natália Correia.Li os poemas Ave Ma(ter)ya e Saudade.Foi um momento incrível e lamento que não seja dada mais atenção à nossa poesia.Temos valores tão grandes. Fico grata pelo teu contributo.Beijo grande

    ResponderEliminar
  4. belo, belo, belo.

    O corpo é um verdaeiro templo onde a cOmunhão se realiza.


    Bj.

    ***maat

    ResponderEliminar
  5. Neste blog é tudo tão bonito.

    Vou vir cá muitas vezes...

    ResponderEliminar
  6. Uma mistura para ara de deuses: as palavras-fruta-doce, o mergulho lânguido e vagaroso em cada letra-palavra do poema, servido no dedilhar suave do piano...
    Perfeito!
    abraços,
    jorgesteves

    ResponderEliminar
  7. Queres saber mesmo a verdade? Só estou mesmo aqui pq o meu blog mandou; para ver se tb comentas a minha história. Alguém disse: "que longa introdução". E eu acrescento, mas é mesmo só uma introdução, porque a história vai formando-se dentro da tua cabeça. - P/ descarado só me falta o chapéu... Senão tiver leitores as vendas baixam. - A poesia não precisa, governa-se sozinha!...

    Beijos e abraços

    ResponderEliminar
  8. Cheia de insinuações. Boa para ler na madrugada. :)



    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  9. a fruta que enche de delírio e prazer nos versos e na bela poesia de Mara Teresa Horta

    deliciei-me com o que aqui li, Sophia a minha paixão, encanta-me este teu cantinho onde leio, releio e me envolvo

    apesar de ainda não estar a 100%, já consigo vir devagar e ler as tuas partilhas, enchem-me a alma e encantam-me

    obrigada pelo teu carinho

    beijinhos muitos pata ti e um abraço cheio de ternura

    lena

    ResponderEliminar
  10. ah!! este poema está deliciosamente quente!!!
    Bjinhosssss ;)

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,