segunda-feira, junho 19, 2006

Canto...

Imagem de Jake Baddeley


Enquanto houver um rio, hei-de cantar
Lonjuras de outros tempos, esquecidas.
Enquanto houver gaivotas rumo ao mar,
Cantarei lembranças de outras vidas.

Enquanto houver um rio, hei-de sonhar
Venturas de outros tempos, proibidas.
Enquanto houver mordaças de matar,
Cantarei esperanças coloridas.

E enquanto o rio correr e eu cantar
Vontades, ilusões, destinos, fados,
Talvez um dia, o meu canto chegue ao mar

Se não, que espalhem as gaivotas pelo ar
Em pios, em voos, em desenhos ousados
Tudo quanto meu canto nunca ousou cantar.



(Poema de Helena Pedro)

10 comentários:

  1. Bom dia
    Obrigada pela tua visita ao Shoshana.
    Ainda bem que gostaste do meu poema e que decidiste colocá-lo na Poesia Portuguesa.
    Não há inconveniente nenhum, pelo contrário, fiquei muito contente.
    A imagem é muito bonita e sugere que "eu" e o "meu canto" seguimos o rumo das gaivotas.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Olá
    enquanto houver um rio.. eu hei-de navegar para lá do imaginário... Lindo.. Boa semana.. Bjhs

    ResponderEliminar
  3. Muito bonito o teu blog. A transbordar de emoção e cheio de poesia, bem como eu gosto:)
    Passa no meu cantinho se quiseres, serás bem recebido.

    Eu voltarei.
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  4. Simplesmente belíssimo!
    Muito sentido...e cada palavra no momento certo...cada momento pleno de expressividade!

    Beijito

    BShell

    ResponderEliminar
  5. Magnífica imagem!
    As palavras que usamos, especialmente aquelas que frequentemente parecem ser sem importância, dizem um bocado sobre quem somos, e como abordamos o mundo.
    Adorei o teu blog.
    Vou voltar mais vezes.
    Beijinhos,
    Sophie

    ResponderEliminar
  6. Bonita partilha poética. Beijinhos.

    ResponderEliminar
  7. Minha amiga!

    É grande a minha frustração de não ter tempo para cá vir com mais assiduidade. Mas quando venho ponho-me em dia. Leio tudo de uma ponta à outra. Tudo o que ainda não tinha visto. Gostei, claro! Gosto sempre. Obrigado!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Que maravilhoso poema! Acabo de lê-lo pela quarta vez e tenho vontade de continuar, tal é a beleza das suas palavras e a musicalidade nelas contida. É água cristalina...um rio...e que o seu canto chegue ao mar.

    ResponderEliminar
  9. Muito bonito!
    Vou linkar este blog!

    ResponderEliminar
  10. TÃO SUBLIME, TÃO TOCANTE, QUE SENSAÇÃO DE LIBERDADE.
    ADOREI.
    CONTINUE MINHA AMIGA, SEMPRE. A SUA SENSIBILIDADE NÃO ENGANA.

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,