sexta-feira, agosto 04, 2006

Amor


Trabalho a lápis de Carlos Peres Feio


(poema a escrever hoje, ou nunca)


não dei por ele,
talvez brisa no
pescoço
e na orelha,
o primeiro arrepio de prazer
talvez tenha sido isso
leve, começo a senti-lo
refresca-me
mas cresce,
torna-se forte
antevejo um tornado,
com todos os sentimentos
no centro
a elevar-se em
espiral,
para fora de mim e
do mundo dos ventos
amor-vento
já uma tempestade
abre-me os olhos,
amor-água
escorre-me pelo rosto
pelo corpo
as cordas das velas do meu passado
esticam rangem vibram,
as cruzes nelas bordadas
partem com o vento
e a minha alma fica
branca
pura
disponível
para receber as tuas marcas,
só as tuas!


(Poema de Carlos Peres Feio)

16 comentários:

aaron disse...

Pela primeira vez sou o primeirinho a comentar e uma maravilhosa obra de arte!! A musica escolhida é excelente. Prima como sempre pelo bom gosto, Poesia!
Um carinho pra si

trevo@iol.pt disse...

Venho todos os dias ao teu blog, este poema está excelente, bom fim de semana, bjs.

amita I disse...

Aqui me quedo
imóvel
silente
de alma branca e clara
bebendo a luz
que nas cordas do vento
as velas desfralda
em belas palavras

Felicito-te Poesia Portuguesa pela partilha da belíssima imagem e poema. Parabéns ao autor.
Nos meus espaços deixei, com carinho, um singelo agradecimento para ti, Poesia.

della-porther disse...

Oi

Gostei do poema
Um bom fim de semana e uma boa semana
beijos
della

Daniel Aladiah disse...

Querida PP
Não deixo de cá vir...
Um beijo
Daniel

Peter disse...

Regressado, não deixei de vir visitar a poesia.

José Gomes disse...

Já viste?
Hoje ando a visitar as "capelas todas" e a actualizar os meus favoritois... que isso de linkar vai ser mais para o inverno, nos dias de frio, pois nos dias de chuva vou para a rua molhar os pés...
Boa semana.

lazuli disse...

não sei comentar tal poema, só a emoção que desperta. E não será afinal isso que interessa?

beijo

Passeando no Parque disse...

O amor...é sempre uma escolha acertada!! Belo quadro!! Mais uma vez o teu bom gosto a imperar...
Beijo pra vc

Claudinha disse...

Lindo e tão romantico; adoei, de verdade!!!
Beijosssssss da Claudinha

herético disse...

quem me dera saber escrever poemas de amor...

Samantar Mohi disse...

Barcos navegando à nora à espera do sopro do coração...assim somos disponíveis ao amor...gostei da abordagem...

Aproveito e convido-os a visitar o meu blog impregnado de poesia:

http://samantarmohi.blogspot.com/

© Piedade Araújo Sol disse...

PP

Mais uma excelente escolha...

Bel disse...

Poemas fantásticos,apesar deste ser o meu preferido!!Muito boa escolha!Beijinho

Clebber Bianchi disse...

Moro em Taubaté, São Paulo, Brasil e não posso deixar de comentar um belo poema. Também escrevo, mas, ainda procuro meu lirismo que se esconde entre o material e sentimental da minha alma, porém, tenho certeza que ele me rodeia.

Um grande abraço e parabéns por tão bela obra de arte!

Clebber Bianchi

Ana Patudos disse...

Adorei o seu poema. Voltarei concerteza outras vezes.
Fique bem
Ana Paula