sexta-feira, setembro 08, 2006

Beijar-te a alma...


1000Imagens FilipeSantos

Eis que a ti me entrego e a ti recebo,
é a unificação do nosso ser.
Que maior maravilha pode haver
do que beijar-te a alma, o meu abrigo?

Deixa que a ternura que em mim sentes, seja a estrada de sonho
em que caminhes, e caminhando tu irei contigo.
Deixa pois que o infinito seja o fim, e que até lá
na doce comunhão do nosso amor, eu consiga a ventura
de te ter ao pé de mim.

(Mesmo que as vagas sejam muitas
eu vencerei distâncias).

O marulhar bramindo
não será mais forte
do que os meus lábios
teus olhos cobrindo
ao cair da noite.

Deixa pois que me atreva
a ser superior à humanidade;
que subjugue o ciúme,
o tédio e o esquecimento com a minha vontade.

(Deslizarei bem junto a ti, abraçarei os teus joelhos
e assim, reinarei submissamente).

Depois te contarei os lindos sonhos que para ti criei.

Consente amor que a tua alma embale docemente,
que o frémito que existe
nos meus lábios
circule no teu sangue, e te mantenha
o fogo
eternamente.

(Poema d' A rapariga)

18 comentários:

  1. gostei mt da tua visita ao meu blog asminhasbijuterias.blogs.sapo.pt, convidaste-me a por um link no teu blog mas como sou nova nisto nao o sei fazer. beijos susana

    ResponderEliminar
  2. Palavras estas já tão usadas e antigas, e ao mesmo tempo frescas, genuínas... simplesmente verdadeiras! A doçura do sentir tem destas coisas, enleva, refresca, altrui os sentimentos quando a alma os dita! Gostei muito! Abraços

    ResponderEliminar
  3. Olá Poesia Portuguesa, como andas tu?

    Passei para desejar um belo fim de semana. Gostei do post.



    Abraços

    ResponderEliminar
  4. Bonito poema de amor.
    De alma aberta, docemente nasceu o poema.
    Parabéns à "Rapariga" e a ti, "Poesia" por nos brindares com tão belos textos.

    ResponderEliminar
  5. Um poema que poderei dizer faz a apologia da submissão da escrava ao seu Senhor. Não sei se me enganei.
    Fica bem, com tudo de bom junto de ti.
    Manuel

    ResponderEliminar
  6. magnífico poema e uma "rapariga" da mão cheia. adorei...

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  8. É sempre um encanto passar por aqui!

    Obrigada pela visita à Casa de Maio, sempre com a porta aberta...

    Bom fim de samana:)

    ResponderEliminar
  9. Uma beleza esta poesia.
    Passando para deixar um beijo em vc

    ResponderEliminar
  10. OLá, olá.
    Em resposta ao teu comment:
    Sim, todos os quadros expostos o meu blog são de minha autoria.

    Espero que gostes.
    Beijos

    ResponderEliminar
  11. Mais uma excelente partilha de um blogue que foi uma autêntica descoberta; gostei muito de o visitar e apesar de não ter lá deixado nenhum comentário porque não aceitou o meu nome em virtude de não me ter registado para esse efeito, deixo aqui a minha impressão sobre ele.
    Parabéns pela escolha e da imagem que é linda.
    Cpmtos do J. N.

    ResponderEliminar
  12. É uma honra ter aqui um dos meus poemas.
    A rapariga agradece

    Meus versos não são poesia.
    São beijos que não sei dar...

    Bom domingo

    ResponderEliminar
  13. E que dizer e que fazer, quando o crepitar desse fogo se ilude na sua própria chama?

    Abraços.

    ResponderEliminar
  14. Muito bem escolhido, lindo poema, dos tais que mexe com as emoções.
    Gsotei.
    Bj

    ResponderEliminar
  15. Uma nova semana tomou o seu lugar, o tempo esse corre sem parar...
    Bjx e boa semana

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,