domingo, dezembro 23, 2012

"Natal é quando o homem quiser..."



Estava aqui a pensar no que havia de escrever, para este Natal, mas tanta coisa já foi dita que as palavras acabam por ser uma repetição de todos os anos.
Saúde, paz, amor, alegria, é o que desejamos, afinal, para todo o ano.
É aquilo que eu desejo, no dia a dia, para todos.
E recordo as palavras de um grande poeta no poema que vos dedico...

 
Tu que dormes a noite na calçada de relento
Numa cama de chuva com lençóis feitos de vento
Tu que tens o Natal da solidão, do sofrimento
És meu irmão amigo
És meu irmão

E tu que dormes só no pesadelo do ciúme
Numa cama de raiva com lençóis feitos de lume
E sofres o Natal da solidão sem um queixume
És meu irmão amigo
És meu irmão

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher

Tu que inventas ternura e brinquedos para dar
Tu que inventas bonecas e comboios de luar
E mentes ao teu filho por não os poderes comprar
És meu irmão amigo
És meu irmão

E tu que vês na montra a tua fome que eu não sei
Fatias de tristeza em cada alegre bolo-rei
Pões um sabor amargo em cada doce que eu comprei
És meu irmão amigo
És meu irmão

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher.

Poema de Ary dos Santos

10 comentários:

vieira calado disse...

Olá, como está?
Venho expressamente desejar-lhe um Bom Natal!

Tenho um novo poema de Natal em
http://vieiracalado-poesia.blogspot.com

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Vale tudo saber ler este poema e interiorizar o sentimento de Natal de todos os que sofrem no corpo e na alma.

Bonita partilha.
Boas Festas

Mar Arável disse...

Tudo pelo melhor

poemame disse...

Há muitas alturas para o Natal, sim. Este poema também nos lembra que há muitos tipos de Natal diferentes. O Natal dos presentes, da mesa farta, do consumismo a que se fecha os olhos por uns dias, não é aquele a que todos têm acesso. Felizmente, o Natal também é a época em que muitos decidem prestar um pouco mais de atenção a essa realidade. E a poesia, como sempre, mantém-se a fiel espectadora distante, mas omnisciente ;)

http://poemame.wordpress.com

Jaime A. disse...

Votos, agora, de um bom ano com muita inspiração e prazer na escrita.
Um grande abraço.

bruno barros disse...

Está muito bem elaborado este poema, Parabéns.
Por estes tempos e mais futuros penso que o Natal vai ser só para alguns... O dinheiro é mais importante para alguns...
Por aqui peço para dar uma espreitadela no meu blogue
tostedo.blogspot.pt
Bom 2013 ;)

manuela barroso disse...

A poesia do Ary dos santos tem o condão de penetrar bem no âmago, fazendo refetir e também sorrie com a sua beleza.
ainda em Janeiro, Bom Ano de 2013
Abraço

Rui Diniz disse...

Este poema foi lido no InVersos!

https://vimeo.com/56182915

Cumprimentos,
Rui Diniz

Rui Diniz disse...

E poemas descobertos aqui serão lidos no InVersos de futuro!

Juvenal disse...

Natal é mesmo
o germinar contínuo da semente
que busca, no seu seio, a vida para seguir,
E tem à sua frente
uma luta para cumprir,
nas portas que encontra
por abrir.

Juvenal Nunes