domingo, julho 14, 2013

Espaço Para Cantar

Bruno Simões - Cacela Velha


Nesta aldeia
de mares imperecíveis
e sábios tristes
íntegro um pássaro do alto
entendeu por bem
atiçar o fulgor dos timbres
regressar ao cais
soltar os barcos
e partir
nas cordas vocais 
de uma guitarra

Nesta aldeia
refúgio
à flor das águas

ainda há espaço para cantar



Eufrázio Filipe, in Mar Arável

7 comentários:

Mar Arável disse...

Bem-vinda à minha escarpa

António Jesus Batalha disse...

Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
decerto que virei aqui mais vezes.
Sou António Batalha.
Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

© Piedade Araújo Sol disse...

e que assim seja!

uma boa escolha!

:)

lectorwall disse...

Belo poema, foragido na liberdade de um voo, de um lugar onde a música ainda paira e inflama a poesia!
MFC

manuela barroso disse...

Uma ótima escolha neste belíssimo poema.
Parabéns ao autor

Pode concerteza postar o que achar que mereça a sua atenção.
Disponha sempre
Beijinhos

tecas disse...

Conheço a poesia do Mar Arável e um aplauso pela tua escolha! Lindo!
beijinho amigo e uma flor.

Branca disse...

Com uma paisagem tão linda só pode mesmo haver espaço para cantar.

Aliás toda a sua poesia é ela mesma um cântico da alma.

Beijos