segunda-feira, abril 24, 2006

Oh! Liberdade!

Falar de Liberdade, é também falar de Timor…
Dedicado à Milu e ao
José Gomes, pela sua força e espírito combativos…



Se eu pudesse
pelas frias manhãs
acordar tiritando
fustigado pela ventania
que me abre a cortina do céu
e ver; do cimo dos meus montes,
o quadro roxo
de um perturbado nascer do sol
a leste de Timor.

Se eu pudesse
pelos tórridos sóis
cavalgar embevecido de encontro a mim mesmo
nas serenas planícies de capim
e sentir o cheiro de animais
bebendo das nascentes
que murmurariam no ar
lendas de Timor.

Se eu pudesse
pelas tardes de calma
sentir o cansaço
da natureza sensual
espreguiçando-se no seu suor
e ouvir contar as canseiras
sob os risos
das crianças nuas e descalças
de todo o Timor.

Se eu pudesse
ao entardecer das ondas
caminhar pela areia
entregue a mim mesmo
no enlevo molhado da brisa
e tocar a imensidão do mar
num sopro da alma
que permita meditar o futuro
da ilha de Timor.

Se eu pudesse
ao cantar dos grilos
falar para a lua
pelas janelas da noite
e contar-lhe romances do povo
a união inviolável dos corpos
para criar filhos
e ensinar-lhes a crescer e a amar
a Pátria Timor!

(Poema de Xanana Gusmão-1998)

Imagem de autor desconhecido

13 comentários:

luis manuel disse...

Depois de um ode á Paz, um retorno obrigatório á liberdade que lhe está associada.
Liberdade conquistada e tão bem "cantada" em palavras pela "portuguesapoesia" que temos oportuidade de recordar.

Um abraço

wind disse...

Lindo! beijos

Ana Sobral disse...

Lindo!!! Não conhecia! Um beijo pela partilha que aqui fazes de tão bela que é!!!

José Gomes disse...

Sabes, amiga, fizeste que as lágrimas bailassem, teimosas, diante dos meus olhos...
Obrigado pelo poema do Xanana, e pela dedicatória que não mereço.
A Milú está em Lisboa com a Sónia, mas deve adorar quando lhe mostrar este teu post.
Lindo! Pela música imortal do Represas.
Aquele abraço.

Isabel-F. disse...

Belissimo poema...
Adorei.

Já viste o desafio que deixei ontem para ti no meu Blog?

beijokas

lique disse...

Um maravilhoso hino de amor à liberdade e à Pátria! O Zé e a Milu bem merecem! :)
Beijinhos

Anónimo disse...

Um poema de um Homem Livre!!
Muito obrigado por o dar a conhecer
Bjs
Vitorino

Delfim Peixoto disse...

Só mesmo Xanana ...parabéns!
bjnhs doces
( o meu blog desapareceu...agora estou em htt://transparenciasereflexos2.blogspot.com)

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

Deixo um beijo ao sabor do vento e votos de um bom feriado :)

Joe Nunes disse...

Desconhecia que Xanana Gusmão escrevesse poesia. Despertou-me a curiosidade a fragilidade deste poema. Vou em busca de mais poesia dele. Sabes onde a encontrar?

JL disse...

Assim se deseja ansiosamente a liberdade.
Boa semana

Teresa David disse...

Também eu nunca tinha lido nada de Xanana Gusmão e fiquei positivamente impressionada pela sensilidade e qualidade das suas palavras. Bem haja por me ter dado a conhece-lo nesta vertente.
Um abraço
Teresa David

De Amor e de Terra disse...

Olá Menina!
Há muito que não aparecia, perdoa.

Estive alguns dias ausente.
Talvez venha a estar mais alguns, de novo.
Depois se verá.
Mas, apesar da alegria da viagem, já me custa deixar o meu canto e tudo o que nele habita, real ou virtual.
E é melhor o regresso.

Gosto muito deste poema do Xanana.

Beijos

Maria Mamede