sexta-feira, maio 19, 2006

Jogos no Parque...




O tempo pára feito luz desmesurada
sobrevindo no pinheiro
em vénia longa curvado à terra.
Foram ventos que o dobraram ou propósito
no coração da semente, germinando sonhos
de amor e cavalgadas?
Riem connosco os pardais. Olha-os de cima:
burel de penas, mendicantes, o vivo olhar -
que faz esta alegria
entre as sombras que há na terra?

Já se erguem do rio névoas,
mas sobre nós a luz
e persiste a boca manifesta.
O crescente não fulge ainda,
excepto no teu olhar que a lua circunda.
No mais tudo é solar, e o pinheiro
oferece o tronco a cabeleira em reverência
como se as coisas e as circunstâncias
se dispusessem porque um dia
viríamos juntos os dois.

(Poema de Soledade Santos aqui)


Imagem de autor desconhecido

16 comentários:

  1. Bonito poema...e é tempo dos "jogos no parque" agora que o tempo está cheio de luz do sol...
    Jinhos, saudade...

    ResponderEliminar
  2. Poemas para mim com alguma complexidade, uma vez que sinto dificuldade em perceber (adivinhar), o que o autor(a) nos quer transmitir.
    Beijinhos.
    Manuel

    ResponderEliminar
  3. Sempre escolhas muito bonitas.
    beijos e bom domingo

    ResponderEliminar
  4. Olá!

    Esta noite faço-te um convite:

    No dia 16 de Junho, Sexta-feira, às 21 horas,
    vou lançar o livro NADA EM 53 VEZES
    na Fnac do Cascais Shopping.

    Gostaria muito que estivesses
    presente nesse lançamento.

    Passa um excelente fim de
    semana!

    ResponderEliminar
  5. Bonito poema que selecionaste. Um beijo

    ResponderEliminar
  6. O poema, a musica e a imagem…ah! A imagem! Num céu cinzento adivinhando o dar de beber à terra, entre malmequeres e três lindos lírios roxos em primeiro plano, facilmente seria uma paisagem do meu Alentejo.
    O campo assim, a cor trigueira da pele dela, o contraste com o doirado espigado dos seus cabelos, com a chuva adivinhando a busca de abrigo, usei este espaço para recordar quem amei numa tarde de Maio (tal como o quadro), num barracão abandonado, com a chuva em musica de fundo….Será infidelidade recordar o sublimar de momentos assim?
    Vou…enquanto uma lágrima marota aflora, como que a pedir perdão por sentir e recordar…

    ResponderEliminar
  7. Agradeço a gentileza da autora do blogue e a de todos os que leram o poema.

    Soledade

    ResponderEliminar
  8. [mini-spam]

    -> Borrifem-se para o MONTE DE BANDALHOS!...
    -> Reivindiquem o SEPARATISMO na Europa!...


    NOTA: O Monte de Bandalhos [ vulgo Parasita Branco -> a MAIORIA dos europeus... ] são INTOLERANTES para com os LEGÍTIMOS Direitos dos Povos Nativos... porque... a Ocupação da Europa por outros Povos... deve ser considerada um ‘Processo Absolutamente Natural’... e não... o resultado da acção de um Bando de Parasitas... que pretendem andar no Planeta a CURTIR À CUSTA DOS OUTROS:
    --->> Exemplo 1: O Parasita Branco ( a Maioria dos europeus... ) pretende andar no Planeta a Curtir a abundância de mão-de-obra Servil...... APESAR DE... o Parasita Branco nem sequer constituir uma Sociedade aonde se procede à Renovação Demográfica!
    --->> Exemplo 2: O Parasita Branco ( a Maioria dos europeus... ) pretende andar no Planeta a Curtir a existência de alguém que pague as Pensões de Reforma...... APESAR DE... o Parasita Branco nem sequer constituir uma Sociedade aonde se procede à Renovação Demográfica!

    O LEGÍTIMO Direito ao Separatismo!!!
    SEPARATISMO-50
    [ A constituição de Espaços Reserva Natural de Povos Nativos ]

    ResponderEliminar
  9. Escontro aqui poesia sempre bonita. Obrigado pela partilha!

    ResponderEliminar
  10. Fui ver o blog da Soledade. Ainda bem que o referiste. Obrigada..

    ResponderEliminar
  11. Gostei muito do poema, e ainda mais do blog da Soledad, com imensa poesia inédita!
    Grata pela partilha...
    Áurea Ponte

    ResponderEliminar
  12. Olá
    gostei muito do poema que não conhecia. mais uma boa escolha tua.. bjhs

    ResponderEliminar
  13. Concordo ali em cima com o Manel, só discordo de uma coisa: O Alentejo também é meu e dos meus antepassados...um vez que nasci em Alter do Chão e ainda lá tenho família e "haveres" onde vou tantas vezes!!!Para não falar de Beja, essa cidade, ondei dei à luz a primeira vez!!! Os anos e a actividade profissional, afastaram-me de lá, para outras paragens, mas estarão sempre no meu coração.

    Mais um belo momento que nos dás, desta forma encantadora como tu és, aliás minha querida Poesia!!
    E mais um blogue a visitar.
    Bjossssss :-)

    ResponderEliminar
  14. Um poema bonito e uma imagem bem adaptada!
    amizade,
    jorgesteves

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,