quarta-feira, maio 17, 2006

Maio...




em que outro mês caberia
um dia só
do trabalho?
e do silêncio?

que outra lua seria
o branco de todas as noivas?

que outras cores se não todas
para maio
das papoilas?

de que outra mãe serias filho
Hermes?

(Poema de Luís Natal Marques)


Imagem de autor desconhecido

11 comentários:

  1. Dispõe de todos os poemas que entenderes...
    ;-)
    Bj**

    ResponderEliminar
  2. Olá
    sabe tão bem ler-te e ouvir-te... Lindo. Bjhs

    ResponderEliminar
  3. Que mais posso dizer... este cantinho de poesia e música em sintonia, acalma-me e traz-me imensa paz!
    Grata por estes momentos... Poesia Portuguesa!

    ResponderEliminar
  4. Maio, mês das flores, como tu...
    bjnhs doces

    ResponderEliminar
  5. {que outras cores se não todas
    para maio
    das papoilas?}

    que suavidade a tocar o romantismo de um Maio de tantos requisitos. Maio das flores, Maio das noivas, Maio dos trabalhadores.

    Que o Maio te seja auspicioso como o é para mim visitar-te. Parabéns ao autor do poema e a ti poesia por o publicares.

    Bjossssssss

    ResponderEliminar
  6. Delicioso poema...que música linda.
    Obrigada por este momento tão agradável.
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Estive a pôr-me em dia!!!
    Maio está no ar!!
    Beijos para ti. Gostei das tuas escolhas.

    ResponderEliminar
  8. Maio e o seu leque de escolhas múltiplas.

    Vim dar-te um beijinho e desejar uma boa semana. :))

    C.

    ResponderEliminar
  9. Um altar para Maio...
    abraços,
    jorgesteves

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,