quarta-feira, agosto 16, 2006

O sabor da amora...


A arte de Isabel Filipe


não sei de que silêncios
me falam as manhãs
descobertas na lura
de todos os exílios.

não sei quais os segredos
se escondem e cativos
nos rios, e das árvores
submersas na memória

não sei nomes nem frutos;
são as sombras e os limbos
que vão rasgando a pele
na mancha das desoras.

não sei de que torrentes
quero agarrar a água
que se planta nas margens
à beira de uma sede.

não sei de que relâmpagos
se retira a centelha
a cor, a luz, o fogo
com que se queima a dor.

não sei de tudo isto
nem de como sentir
mesmo que seja frágil,
o sabor de uma amora.

(Poema de José Félix)

12 comentários:

  1. Oii! obrigada pelo comentário! ja postei um poeminha la... tipo, não são grande coisa, mas eu gosto deles... mto bonito esse poema de José Félix! bjs

    ResponderEliminar
  2. venho agradecer a visita, o simpático comentário e deixar os meus parabens pelo poema e Blog que está lindo
    Bjt

    ResponderEliminar
  3. "Vi-te" no «GARATUJANDO» e vim até este teu blog desfrutar a boa poesia portuguesa ao sabor de bela música. Tudo de bom

    ResponderEliminar
  4. Excelente. Como o não saber porventura se desdobra e mostra saber mais do que pensa.

    Abraços!

    ResponderEliminar
  5. eu adorei o blog...já conhecia o autor mas este poema é muito bonito mesmo!
    parabéns plo blog

    ResponderEliminar
  6. ... e as férias terminaram!
    tão bonito este poema de José Félix. Já encontrei, aqui e ali, na web, outros versos deste autor de que também tenho gostado. Por mais este, grata, amiga.

    beijinho meu

    ResponderEliminar
  7. O doce sabor de uma amora...

    Gostei!
    Beijos

    ResponderEliminar
  8. Sabor adocicado mas bom, o teu poema está maravilhoso. Beijinhos amiga

    ResponderEliminar
  9. Mais um poema e imagem gostosos, com cheirinho a amoras do campo. Lindo;
    Beijo pra vc

    ResponderEliminar
  10. "não sei de que relâmpagos
    se retira a centelha
    a cor, a luz, o fogo
    com que se queima a dor."

    Lindo... a poesia é para ser sentida tal como aqui transformou-se em sensação...

    Cumprimentos,
    Marco Martins

    ResponderEliminar
  11. tarde mas agradecido pelos comentários aqui colocados. a poesia é a emoção da infância.

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,