sexta-feira, agosto 25, 2006

Vagas de ilusão...


Imagem de daqui


As palavras que penso, nunca digo
são secretas, quase como o universo
viajando com elas, somente em verso
para se encontrarem apenas contigo

Abraçando cada palavra na solidão
deslizo nas vagas deste pensamento
que me acalmam sempre o sofrimento
estendo-te os braços, dou-te a mão

Finjo não entender as desilusões
das palavras que vou arrastando
quando tocam fundo no teu peito

Afinal, tudo não passa de ilusões
que ambos vamos aguentando
neste cintilar único, quase perfeito...


(Poema de Friedrich)

21 comentários:

aaron@iol.pt disse...

Mais uma excelente postagem! Poema, musica e imagem, um triângulo fantástico!!
E esta música, ai esta musica!!
Parabéns por mais uma fantástica escolha!
Beijão do aaron

Nina Ferrer disse...

Este poema atinge-me profundamente precisamente por conviver comigo diariamente numa perspectiva quase eterna... Mais palavras para quê? Seriam infrutíferas.

Um abraço

Tita - Uma mulher, Um blog, algumas palavras disse...

Ilusão ou não sei que amei este poema.Estou de regresso e é bom voltar a ler-te. Um beijo

herético disse...

uma (outra) boa escolha. gostei do poema...

Passeando no Parque disse...

Um passeio fantástico, entre o real e as ilusões de vidas, que bem podem ser as nossas...
Beijo pra vc

Diogo Ribeiro disse...

Tudo é uma ilusão, a ilusão de ser algo. Mas as ilusões acabam por ser tudo o que temos.

Abraços!

Claudia Perotti disse...

Escorro em cada pausa entre as letras e bebo todos os sentires embalada na música que toca ao fundo.

Beijinhossssssss

aprendiz de viajante disse...

Em momentos de nostalgia, adoro passar aqui... a escolha dos poemas é sempre excelente.

Bjo

Joe Nunes disse...

ilusão... sonhos... não é esse um complemento maravilhoso da vida?
Aguardemos pois...que as desilusões não aconteçam.
Como sempre, uma escolha perfeita.
Cpmtos do J. N.

woman's secrets disse...

alimentamos ilusões...
Beijos

Samantar Mohi disse...

Ainda bem que as palavras não passam de meras ilusões...ou meros veiculos para uma viagem ao mais profundo de nós...e nelas despejamos a mais incompreendida tristeza...às vezes a mais apetecida alegria...mas como às alegrias quero-as em mim prefiro dar via verde às amarguras e devolvê-las ao mundo...o mundo que me as inspirou...a mais franca poesia portuguesa...obrigado a ti...

www.samantarmohi.blogspot.com

Um Poema disse...

Muito bom este soneto de Friedrich.
Parabens pela escolha.
Um abraço

Deepak Gopi disse...

Mind of a woman?

Sereia Azul* disse...

Simplesmente MARAVILHOSO este soneto de Friedrich!!!

Não hesito em visitar de seguida o seu espaço.

Este blog fascinou-me! Voltarei sempre,ok?

Uma brisa de mar no teu coração

Sereia Azul*

Sereia Azul* disse...

Simplesmente MARAVILHOSO este soneto de Friedrich!!!

Não hesito em visitar de seguida o seu espaço.

Este blog fascinou-me! Voltarei sempre,ok?

Uma brisa de mar no teu coração

Sereia Azul*

Anónimo disse...

belo!
Hoje mesmo enviei-lhe o livro tão prometido.
Desculpe-me o atraso.


Bom fim de semana,

***maat

Anónimo disse...

uauuuuuuuuuuuuuuu ainda deu tempo...andei a navegar nas palavras e gostei...depois terei mai tempo
um sorriso @@@

Diogo Ribeiro disse...

Bom fim de semana.

O Pilha Blogs disse...

Muito bonito este poema, não é que os outros não o sejam, mas este é especialmente bonito, toca-me profundamente....!

Anónimo disse...

muito bonito este poema do Friedrich, apesar de também gostar de outros que ele tem no blog.
Selma

Bruna disse...

resolvi comentar nesse poema, pq axei mais especial, tem tudo a ver comigo, adoro escrever sozinha no meu quarto." Abraçando cada palavra na solidão
deslizo nas vagas deste pensamento"
de preferencia em segredo "As palavras que penso, nunca digo
são secretas, quase como o universo".
Na verdade todos temos segredos, e por mais que a gente não queira ao escrevermos nos revelamos