sábado, novembro 04, 2006

Deixa!....


Imagem de Georges Barbier


Deixa que faça das palavras beijos
E beijos de cada palavra que te escrevo.
Deixa que as letras se cruzem entre si
Formando ideias e lamentos.

Deixa que cada palavra seja um grito desesperado.
Deixa, as palavras serem mimos
Deixa que me encontre em ti
Quando já nada resta
A não ser a perdição.

Lê mesmo nas palavras que não digo
Naquelas que inventei
Nas outras que não invento, mas imagino.
Lê nos silêncios sem palavras
Mas lê em cada palavra um beijo.

Deixa que percorra o teu corpo de sabores e ânsias
Com lábios de palavras que são beijos.
Deixa que sejam os beijos a serem palavras que não preciso escrever
Mas beijos.

Deixa, que a languidez de todo o meu ser
Te toque
Percorrendo cabelos, pernas de lavas
Quentes
Pernas sem palavras e desejos
Sem palavras
Beijos.

Mergulho na tua doce boca, calando palavras
Buscando os beijos de letras
De poemas sem poeta
Espumas de mar, e palavras.

Deixa que sejam os beijos, as palavras.
E que as palavras sejam beijos.
Assim, posso tocar o teu corpo
Mergulhar nele
Com lavas ardentes de desejos
E palavras, que são, afinal beijos.

(Poema de *António José Pinto Correia)


*Autor do livro Insónias e afins recentemente editado

29 comentários:

  1. {{Deixa que sejam os beijos, as palavras.}}

    Beijão
    :-))))

    ResponderEliminar
  2. Conheço o autor de o ler em prosa, não imaginava que pudesse escrever poesia onde os sentidos e os sentires se conjugam de forma tão soberba, gostei muito deste poema.

    Um beijo de parabéns ao autor e outro para ti que descobres sempre génios destes...

    Lina/Mar Revolto

    ResponderEliminar
  3. Não sei como posso agradecer o imerecimento. Um sentido obrigado.

    ResponderEliminar
  4. Maravilhoso! Senti-me beijada, bem dentro do meu coração...A musica fez o resto das caricias e deixou-me a flutuar...

    Belo momento este!

    Obrigada

    ResponderEliminar
  5. Adoro as palavras do Zé...neste momento estou a ler o Insónia e afins que é um livro completamente fascinante. Beijinhos, bom domingo.

    ResponderEliminar
  6. Fiuei maravilhado! É assim, a Poesia!
    abraço ao António e bjs para ti!

    ResponderEliminar
  7. Desconhecia esta faceta de poeta do Zé!!! Mas está magnifico e a escolha da imagem foi perfeita!! E a musica é de sonho.. Em suma, perfeita esta postagem!!!

    Beijocas
    Ana :-))))))))

    ResponderEliminar
  8. O António escreve mesmo muito bem, também sou fã!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Mais uma bela faceta literária do Zé. Parabéns. Grata pela partilha deixo um bjo aos dois e uma flor

    ResponderEliminar
  10. belo poema, e as palavras podem ser beijos... as palavras podem ser tudo... o seu poder é imenso.
    Com as mesmas palavras posso despertar um coração, fazer um rosto corar e dar-te um beijo sem sequer te tocar... este é o meu lado poético (brincadeira, dou só uns toques...), mas gosto e parecio imenso poesia.
    beijinho e boa semana

    ResponderEliminar
  11. Não é "parecio" mas sim aprecio...
    é o que faz escrever sem olhar para o teclado...

    ResponderEliminar
  12. Que bonito poema. Quem me dera algum dia vir a escrever assim!
    Temos que ver, a musica de fundo cria um ambiente, uma disposição para que a pessoa melhor sinta...
    Mas mesmo sem musica este poema continuaria a ser lindo!! :') adorei...

    ResponderEliminar
  13. Um poema de desejo e paixão dos sentidos onde eles são bem descritos e evidenciados.
    Bjs
    TD

    ResponderEliminar
  14. Belo poema sobre as palavras.
    As escolhas são sempre muito boas, bela música de fundo.
    Deixo as minhas palavras:

    Procuro palavras,
    que não caíam em espaço perdido.
    Palavras, palavras, palavras...
    Deixa-me permanecer nas tuas palavras!

    {{coral}}

    Volto sempre para ler boas palavras que este cantinho tem.

    {{coral}}

    ResponderEliminar
  15. Conhecia a prosa do A.Pinto Correia, fiquei agradavelmente surpreendida com o poema.Está muito bom...

    ResponderEliminar
  16. As palavras

    São como um cristal,
    as palavras.
    Algumas, um punhal,
    um incêndio.
    Outras,
    orvalho apenas.

    Secretas vêm, cheias de memória.
    Inseguras navegam:
    barcos ou beijos,
    as águas estremecem.

    Desamparadas, inocentes,
    leves.
    Tecidas são de luz
    e são a noite.
    E mesmo pálidas
    verdes paraísos lembram ainda.

    Quem as escuta? Quem
    as recolhe, assim,
    cruéis, desfeitas,
    nas suas conchas puras?

    Eugénio de Andrade.

    (Um abraço para o Zé Pinto Correia, pena o teu blog não ter caixa de comentários)

    ResponderEliminar
  17. Ia escrever "deixa...", mas náo escrevo.

    ResponderEliminar
  18. A poesia do Zezinho! Como a adoro!!! G
    :-)))

    ResponderEliminar
  19. No poema... e na escolha do poema - extremo bom gosto. Valeu!

    ResponderEliminar
  20. Já tive oportunidade de ler Pinto Correia, mas em crónicas políticas num outro local e sempre gostei da sua forma acutilante de escrita. Vê-lo aqui como poeta foi uma surpresa para mim e subiu no meu conceito de que o ser humano pode ser uma caixinha de surpresas.
    Esta foi e bem agradável por sinal. Mais um livro que a curiosidade me vai levar a adquirir.
    Cpmtos do J. N.

    ResponderEliminar
  21. Não serão os beijos palavras lançadas por violinos tocados com mãos de orvalho e fogo?!?!....
    Soltem-se os violinos....

    ResponderEliminar
  22. Olá!
    Tenho tido alguma dificuldade em entrar na tua página, mas finalmente consegui, mas só depois dos mails k me enviaste consegui revisitar-te...
    Simplesmente belo este "post"!
    Ob e um bj!

    ResponderEliminar
  23. Olá!Descobri este blog por acaso, mas adorei! Vou visitá-lo mais vezes. Bj.

    ResponderEliminar
  24. O Facebook tem realmente algumas virtudes :-) Recordou-me este poema que há muito tempo não lia! A emoção que ele provoca mantém-se a mesma!
    Parabéns ao Poeta!

    ResponderEliminar
  25. Maravilhoso de Ler ......
    Fico com as palavras da poesia e Sem Palavras....
    Parabéns

    ResponderEliminar
  26. Será que é o meu eterno amigo dos tempos do liceu? Sempre essa veia poética

    ResponderEliminar
  27. Começo o autor desde Jovem. Fomos colegas de liceu.Sempre teve esta carateristica para a escrita. Grande abraço

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,