quarta-feira, janeiro 10, 2007

Leva-me o rio...


Pintura de Jean Paul Avisse


Leva-me o rio de um sabor
Que não sei.
Tento afastar o murmúrio do opaco
E perco a razão do que sou.
Não sei silêncio mais vago, mais sem cor.
Perdi o sentido da essência
E só a noite me dá os trilhos,
O brilho de uma noite que não será.
Espero e o vazio nada me traz,
Nada me mostra.
Sigo linhas de um sabor que não me quer
E apareço só à monotonia das coisas.
Serei algo que não vale a pena?
Quero fundir-me com o rio
E fugir, chegar ao mar.
Os sonhos apertam-me a ideia
E não sei o que ser.
Corta-me o silêncio e não sinto,
Não sei, não me quero.
Desapareço num grunhido de dor
Que se mistura no ar
E persegue a noite.
Nem um só sentido brota como um beijo
Brota de uns lábios.
São perdidos os rumos que me alcançam.
E, simplesmente, não pareço existir
Ou saber o que mostrar.

(Poema de Rita Pacheco in Em Flor)

14 comentários:

In Loko disse...

Muito bem Rita, gostei bastante de ler este teu "Leva-me o Rio"... muito fluído, muito sentido. Bonito! Abraços

aaron@iol.pt disse...

Cheio de alma este Rio... adorei ler. E a musica é fantástica!!
Bjsss do aaron

Anónimo disse...

Continuam as tuas excelentes escolhas. É um prazer ler-te. Sempre. Beijos

Isa&Luis disse...

Olá,

Boa escolha.
lindo lindo o seu poetar.

Beijinhos

Isa

António Silva disse...

Após umas férias estimulantes, repousantes e bem urdidas, principalmente para recarregar baterias para caminhar em 2007, regressei ... confesso que já tinha alguma pontinha de saudade e uma boa dose de altruísmo para com a nossa inquestionável Poesia Portuguesa. Brindemos a 2007 e que a luz conduza o teu rico interior pelos caminhos mais produtivos no teu modo de ser e de viver.
Sabes um segredo ... para mim a Poesia é incolor, sem aroma ou odor, mas é o mais agradável gin tónico para ultrapassar o teu e o meu medo.
Comentar a suavidade, a frescura, a interioridade do poeta que se revela ao longo da escrita ... não desprezando a tua imensa sensatez na selecção e arranjo musical e a apresentação de tão sublime imagem.
Tudo isto permite respirar uma boa aragem e um prenúncio de uma óptima viagem pelo mundo da Poesia, neste ano que se inicia.
Muitos parabéns ... continua e nunca te arrependas, apesar da pouca disponibilidade que tenhas, lembra-te é por uma nobre causa.

Quando escrevo não sei se sou Eu
por vezes leio e releio e não me reconheço
provavelmente pelo empenho mereço
que um belo dia reconheçam alguém que assim viveu e assim padeceu.

Não se trata de falta de confiança
são palavras que brotam da alma
memórias, histórias que atiçam a chama
porque sempre confio e acredito na esperança.

O mundo por vezes revolta-me
vejo traição,ódio e maquinação
afinal onde se encontra a libertação
se as correntes continuam a suportar a fome.

Tudo parece fantasia
porque a novela faz furor
no entanto o público guarda o seu rancor
porque já não existe espaço para a lição de poesia.

Mas o ideal é seguir em frente
preferencialmente de cabeça elevada
dessa forma a nossa missão será estimada e louvada
para que no final tudo se possa esvaziar completamente da mente.

Manel do Montado disse...

(...)
Espero e o vazio nada me traz
Nada me mostra.
Sigo as linhas de um sabor que não me quer
E apareço só à monotonia das coisas.
Serei algo que não vale a pena? ...)

Como me encontro e me entendo...
Obrigado pela partilha.
Bj

Peter disse...

Meritória a sua acção no sentido de divulgar novos valores.
Mas onde arranja tempo, minha cara amiga?

Amaral disse...

A poesia do sentir está aqui e nós sentimo-la facilmente.
"Quero fundir-me com o rio e fugir, chegar ao mar" - alguém pode não ficar sensível a estes versos?...
Parabéns à Rita e a quem tão bem sabe escolher!

Anónimo disse...

Em primeiro lugar, os parabéns à Rita (nome muito familiar...), por este lindo poema "angustiante", no mais belo sentido poético; em segundo lugar, o meu muito obrigado pelo prazer que me deste nesta leitura.

É sempre muito agradável "estar contigo".

Do amigo "Montanheiro"

rouxinol de Bernardim disse...

Ora aqui está mais uma pequena gota de orvalho pura e bem pura...
Parabéns!

HatA/mãe disse...

Venho desejar um bom ano e dizer que está lindissimo, este blogue e muito original, com a contribuição de tanta gente...

As imagens lindísimas, um ambiente tranquilo de muita paz e amor...

Sempre que posso venho respirar aqui um pouco.

Um grande abraço

Anónimo disse...

Ora digam-me lá se esta Ritinha está ou não Em Flor? :-)

Isabel-F. disse...

Gostei.

Bjs

Rita Pacheco disse...

Olá!
Sou a Rita e vim agradecer todos os comentários e, principalmente, esta homenagem que tanto me tocou.

Beijo enorme,
Rita