sábado, novembro 05, 2011

do fim dos meus dias...


Pintura de Cliff Warner



Do fim dos meus dias
Vê-se um tecto
Branco
E inerte
Que me dá silêncio
E mais silêncio
Tanto que me escorre
Dos olhos
Por já não me caber
No peito…

Do fim dos meus dias
Vê-se o deserto
Que me sobra
Dos gestos
- Como quem morre
Nos restos
De um leito
Seco…

Solidão triste
A que me chega
Das entranhas
Deste vazio
Onde se me cai
A vontade,
Abatida,
De palavras
Em riste

- Campo tardio
De armas sepultadas

- Lume profundo
De chamas inúteis
…Apagadas…


Poema de
Virgínia do Carmo

10 comentários:

MARIUS disse...

Tão simples e tão triste. Daqueles que nos fazem pensar para alem da vida que abraçamos

A.S. disse...

Sempre bela a poesia da Virginia!...


Abraço!
AL

© Piedade Araújo Sol disse...

um poema nostálgico, que traduz uma certa tristeza ou talvez um certo desencanto com o fim de os dias ou de uma vida.

conheço a obra da autora para dizer que escreve muito bem tanto poesia como prosa.

uma escolha muito oportuna.

Anónimo disse...

Bela imagem para um belo poema.

Carlos Ferreira

Maria João Brito de Sousa disse...

Um poema que atinge surpreendentemente o leitor com a sua mensagem... tive, por instantes, a sensação de estar a assistir aos últimos momentos da vida da Virgínia do Carmo.

Anónimo disse...

SIMPLICIDADE QUE E' BELEZA, PESE EMBORA A TRISTEZA!

GOSTEI MUITO!

Heloisa B.P.

PS: deixo a mensagem como anonima porque nao consigo acessar meus blogues,de ha' um tempo a esta parte.

Luís Freitas disse...

Poema simples, mas profundo, é isto que adoro na poesia, simplicidade aliada ao sentimento.

Este é o meu blog, entre outras coisas tem também um cantinho dedicado a poesia, gostava da sua presença por la.

http://showmethecrossroad.blogspot.com/

Jaime A. disse...

Senti um quase "desejo de sofrer" após a leitura deste poema de Virgínia do Carmo.
Muitos parabéns!

Anónimo disse...

Muitos já disseram o que eu queria dizer ao ler este ppoema que é possante e profundo na sua quase dureza e sensibilidade.
Gosto
Pedro Osório

Pedrasnuas disse...

Ainda falta tanto para chegar ao fim dos teus dias...acredito no teto branco, no silêncio...no deserto, na solidão amarga, nas palavras tristes...mas há em ti um sorriso...um sorriso que é todo sinfonia...

Gostei muito da tela!!!!

Beijo para ti Virgínia .