sábado, dezembro 24, 2011

as coisas elementares



falo das coisas mais
elementares

o sino da igreja
onde um galo não canta
um seixo rolado
guardando o tempo
dentro de si
um torrão de terra
grávido de uma semente

mais elementares ainda

os sorrisos presos nos lábios
das crianças tristes
as lágrimas
rios de salgados
nos leitos dos rostos abandonados
nos lares/depósitos

falo porque
estou cansado de comer silêncio
e ler poemas de amor
com tanto desamor
a caminhar por aí

as coisas mais elementares
são as que deviam ocupar
o ventre das palavras por parir

Poema de
António José Cravo

36 comentários:

Virgínia do Carmo disse...

Poema verdadeiramente belo.

Beijinhos e Feliz Natal!

Manela disse...

Que belo poema, tão real e sentido.

Parabéns pela escrita

ANITA disse...

Quando as palavras estão cheias de vida como as tuas, o mais importante já lá está!!!
Muito bom, como sempre
:))

Alien8 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alien8 disse...

Meu caro António José Cravo,

É possível discordar de uma ideia co-central de um poema e considerá-lo belo. Aconteceu-me com este.

Os poemas de amor não são o contrário, nem sequer coisa diversa, de falar do essencial: são exactamente falar do essencial, porque é o amor que está na base de tudo - inclusive da atenção às coisas elementares.

"Estou cansado de ler poemas de amor / com tanto desamor a caminhar por aí" - pois é exactamente para combater esse desamor que se escrevem poemas de amor. E não importa se é amor a uma pessoa, a uma ideia ou às "coisas mais elementares". Na realidade, é, em última análise, o amor que deve ocupar "o ventre das palavras por parir".

Como comecei por dizer, gostei do poema, e alcanço o seu sentido último e necessário - e isso é mais importante que a discordância (que talvez até o não seja...).

Maria Augusta disse...

Um poema de um passado presente.O sofrimento em veias de alma de quem vive o o sentido de vida, de quem sofre no silêncio de ver dentro de si o abandono dos tempos idos..do abandono, do desamor ...
Nada como retomar o senso de ocupar a vida com o esventrar do amor..uma semente já está....

Anónimo disse...

...rios de salgados
nos leitos dos rostos abandonados...

:-)

Orlando Alves disse...

Belo Poema: "falo porque estamos fartos de comer silêncio". " e ler poemas de amor com tanto desamor..." Acabrunhados pelas vicissitudes da vida, das injustiças que por aí proliferam, falamos, nem que seja em surdina. Mas mesmo com desamor quero ler poemas como este, onde palavras semeadas desabrocharão na Primavera flores encarnadas de esperança.

Letícia Valle disse...

António, mais uma vez parabéns por este teu talento de observar e escrever as simplicidades. Sempre !

Vitor Bastos disse...

Magnifico Poema,bem do presente,gostei

Sofia Carvalho disse...

Aqui está um poema bem ao meu estilo,António! Parabéns...

© Piedade Araújo Sol disse...

tão real que até doí.

muito bom!

um beij

Antonieta disse...

como é belo o teu olhar, vê o coração de quem hoje ama mas não encanta o sol de um dia, adoro :)

Anónimo disse...

O teu poema é um grito ao amor, nas coisas mais elementares e onde por vezes falhamos...

Como poderia não gostar? brota-te da alma e aquece-me o coração.


Beijinhos de "onda"

Anónimo disse...

Gosto imenso de ler o que escreve. Adorei esta poema António. Bjs

Anónimo disse...

Com um sorriso nos lábios é como eu fico sempre que leio estes poemas.
Alexandra Fonseca

Alexandra Rosado disse...

Elementar é amar... e falar, usar as palavras. Tu usaste-as. Da melhor forma.

M.Manuela Barbosa disse...

Parabéns António por este magnífico poema saído do ventre que o pariu!
Gostei deste poema de raiva, de dor e de mágoa lido na tua letra. Aqui, li Amor. Um abraço

Mariana disse...

Como sempre,António,tu colocas poesia na vida.
Lindo!

Beijos

Ana Rafael disse...

António, adorei como sempre...

".. falo porque
estou cansado de comer silêncio
e ler poemas de amor
com tanto desamor
a caminhar por aí..."

Obrigada... beijos

Anónimo disse...

Para as mentes pensantes uma belíssima composição!!Um magnífico poema!! Beijo com alma!! :)

Anónimo disse...

Que lindo poema, tão simples,real e sentido... Adorei!!! Um enorme beijinho!!!!! Emília

Telmo disse...

Belo poema António, com palavras simples, belas e diretas, que sempre identificam a tua forma de escrever e de dizer o que sentes,
grande abraço :)

carmo mestre disse...

Um poema que foca uma realidade que não deve deixar ninguem indiferente...Lindo e oportuno!

asa disse...

Gosto de ver a chama inflamada das tuas palavras a rasgar as entranhas surdas e a parir estrelas nas consciências com firmamento tangível....elementar . Parabéns.
Asa

Carmo Valente disse...

Forte, directo, sentido.
Porque quando "cansados de comer silêncio" num mar de palavras fúteis à nossa volta constatamos que "as coisas mais elementares são as que deviam ocupar o ventre das palavras por parir".

Maria Toscano disse...

Silêncio. Belo! Bem hajas! abraço, mt

Clara Maria Barata disse...

Intenso e profundo o teu poema, António José. Elementar é, sem dúvida, o amor. Não é ele que impulsiona o mundo? Gostei muito!

António JS disse...

Maravilhoso

Nocas disse...

O amor está sempre presente na escrita do António e ajuda a colmatar o desamor que anda por ai. Tao mais facil seria neste tempo dar e receber amor, mas nem sempre se pode dar o que se nao tem ...

Maria do Rosário Loures disse...

António!

Eu entrei pelo teu poema adentro... as palavras que li formam uma curta e muito boa metragem! Obrigada por o que li!

Poesia Portuguesa disse...

Caros Comentadores e Visitantes:

manda o bom senso e por motivos óbvios que, os comentadores se deverão identificar através de registo, (identificação a azul) porquanto este poema se encontra incluído no conjunto dedicado ao passatempo do mês de Dezembro, cuja norma será a atribuição de pontos ao poema mais comentado, mas claro, comentado oficialmente,
(comentário que aparece com o nome do comentador a azul) pelo que só estes comentários serão qualificados, nem sendo considerados os comentários de anónimos.

Grata pela compreensão.

Cumprimentos,

A Administração do Poesia Portuguesa.

Nocas disse...

Sei de um tempo que passa e que urge transformar, para que se libertem os sorrisos das criancas tristes.

Natália Freire disse...

Cravo só hoje ... agora... descobri que tinha que vir aqui ler mais um teu poema e como sempre delicioso, a tua escrita, acho que já tu disse, é criativa, original e com muita maturidade, adoro a tua poesia, um abraço amigo.

Poesia Selecionada disse...

Postei esse belíssimo poema no meu blog http://poesiaselecionada.blogspot.com/. Postei também o vídeo com a narração do poema, fazendo referência a este blog, o Poesia Poirtuguesa.

Poesia Selecionada disse...

Peço desculpas pelo lapso, o nome correto, todos sabemos, é Poesia Portuguesa.