quarta-feira, março 27, 2013

Suicídio


O rio entrou pela janela
e transformou em areia
a pedra que eu tinha
debaixo dos pés.

A água subiu por mim
como uma bênção,
as flores abriram
e passei a ouvir pianos.

O mar, veio depois,
meditabundo
nas primeiras vagas,
arrebatado
nas seguintes.

Então, surgiu o sol
e o massacre das sombras
foi total:
suicidaram-se a cada palavra tua..

Poema e imagem de Nilson Barcelli

7 comentários:

  1. Bonitas, as palavras. Muito conseguida a surpresa da relação entre o título e o final do poema.
    Abraço.
    António Pereira
    http://imagenscomtextos.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. Querida amiga, obrigado pelo destaque.
    Tem uma Páscoa Feliz.
    Um beijo (doce, da época...)

    ResponderEliminar
  3. belíssima escolha - o Nilson é um talentoso Poeta.

    beijo

    ResponderEliminar
  4. Hoje ao deambular pela Net tive esta agradável surpresa de encontrar o seu blogue e logo esta poesia de Nilson, que tanto aprecio. Obrigada. Ailime

    ResponderEliminar
  5. Foi um prazer chegar até esse blog...

    ResponderEliminar
  6. http://oultimocliente.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,