quarta-feira, abril 04, 2018

JURA

Judith Leyster

Pelas rugas da fronte que medita...
Pelo olhar que interroga — e não vê nada...
Pela miséria e pela mão gelada
Que apaga a estrela que nossa alma fita...

Pelo estertor da chama que crepita
No último arranco duma luz minguada...
Pelo grito feroz da abandonada
Que um momento de amante fez maldita...

Por quanto há de fatal, por quanto há misto
De sombra e de pavor sob uma lousa...
Oh pomba meiga, pomba da esperança!

Eu te juro, menina, tenho visto
Coisas terríveis — mas jamais vi coisa
Mais feroz do que um riso de criança!

Antero de Quental


8 comentários:

  1. Antero, desalmado,
    com alma única.
    "Sob uma lousa".

    Grato pela visita.

    ResponderEliminar
  2. Antero
    Uma poesia clássica
    Gostei muito
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  3. Antero
    e um poema acutilante
    boa partilha
    bom domingo
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  4. Sempre que encontro um poema de Antero de Quental, prometo a mim mesma voltar a lê-lo. E ainda não aconteceu... Gostei de o encontrar aqui.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,