terça-feira, abril 28, 2015

mediterrâneo


- sem saber, de todo, quanto vale a vida humana, 
qualquer que seja a cor, o credo ou a idade, 
sei melhor a lonjura da Utopia
e vivo na amargura da vergonha.


entre a terra e a terra
fica o mar
e fica a sorte

entre o mar e a terra
fica o norte
e fica a morte dos sem sorte
dos sem terra

entre o norte e a morte
fica a sorte
e à sorte fica a guerra
e os sem terra
no desterro
pelo erro
de viver que a morte encerra  

e há um mar imenso
e o consenso sem conteúdo
e há um grito incontido
um bramido
que não é do mar
mas é de tudo

de tudo o que não vemos
nem sabemos
mas acima de tudo
acontecer
o nem querermos saber
que a cor do mar
é por vezes tão vermelha
quanto valha
por se querer chegar ao norte
e assim morrer.


5 comentários:

  1. Um excelente poema de Jorge Castro a lembrar-nos os milhares de pessoas que a fugirem da morte encontram a mote...
    Um beijo, minha amiga MM

    ResponderEliminar
  2. Jorge Castro, Grande Homem, Grande Poeta.

    ResponderEliminar
  3. Olá. Muito grato pelo destaque. Importa reflectir que o mundo é todo nosso porque nós também o compomos, o integramos.
    «Sou homem e nada do que é humano me é estranho»... e cada grito soltado na imensidão fria do mar por quem procura a sorte que lhe é devida é, se virmos bem, também um grito nosso, dos nossos pais, dos nossos filhos.
    Há muito mar, mas todo ele nos toca.

    ResponderEliminar
  4. Gostei muito do poema e do jogo de palavras com que foi construído...

    Abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,