sábado, abril 09, 2022

LEITURAS OBRIGATÓRIAS




Vê-se o castelo, vou poetando trivialidades

no caderno, à minha frente uma rapariga estuda o Livro

do Desassossego,

eu estou sossegado e estudo a rapariga,

não realmente bonita mas

de íris inquisidoras e surpreendente

decerto entre quatro paredes.


Se eu fosse algum dia poeta

seria uma obrigação curricular para os vindouros,

versos a acompanhar cigarros e namoros,

o livro com manchas de café, uma rapariga (filha desta?)

a ler o que eu hoje escrevi no Chiado

e alguém noutra mesa a fazer

um poema acerca disso.



Pedro Mexia 

in, “Eliot e Outras Observações” 

a pág. 15- Gótica Editores - 2003




Fotografia: Vista aérea de Lisboa, retirada da net

2 comentários:

  1. Gosto do Pedro Mexia. Não sei se teremos sorte com o que ele deseja. Creio que os livros se tornam cada vez mais objectos de coleção...
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,